13/02/2019 - 09h10 Atualizado em 13/02/2019 - 20h55

CPI de Brumadinho deve ser instalada nos próximos dias

Ricardo Stuckert
Cidades - catástrofes - Brumadinho rompimento barragem  Vale mineração rejeitos desastres ambientais destruição
Cerca de 13 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério de ferro vazaram com o rompimento da barragem

A Câmara dos Deputados poderá instalar nos próximos dias uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as causas e os responsáveis pela ruptura da barragem da Vale em Brumadinho (MG).

O despacho que determina a criação da CPI ainda deve ser lido em Plenário. Cumprida esta etapa, abre-se prazo para que líderes façam a indicação de nomes para integrar o colegiado.

A CPI foi sugerida pela deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) e conta com a assinatura de outros 194 deputados, superando o número mínimo de assinaturas exigido (171).

CPI Mista
Deputados que já se dedicam a acompanhar o caso em uma comissão externa manifestaram preferência pela criação de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), formada por deputados e senadores.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse, entretanto, não ver impedimento para a criação de uma comissão mista, decisão que caberia ao presidente do Congresso, senador Davi Alcolumbre. Maia explicou que autorizou a criação da CPI na Câmara porque o requerimento apresentado atendeu aos requisitos regimentais, como fato determinado para a investigação.

“Aqui na Câmara, já tinha o pedido, e eu não posso, com fato determinado, não tomar uma decisão. Se o presidente Davi Alcolumbre quiser articular uma CPI mista, acredito que a Câmara e os parlamentares vão aceitar do mesmo modo”, ponderou Maia.

Histórico
O rompimento da barragem ocorreu no último dia 25 de janeiro e já causou a morte de, pelo menos, 165 pessoas. O número ainda pode aumentar pois outras 155 pessoas continuam desaparecidas.

Os deputados devem propor mudanças na política de segurança de barragens para aprimorar as regras gerais obrigatórias para construção e desativação de barragens de rejeitos de mineração. Uma comissão externa para acompanhar o caso já está em funcionamento.

Reportagem – Murilo Souza
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'