04/01/2012 - 13h20

Produto poderá conter informação de que foi obtido com uso de animal vivo

Jorge Serejo
Ricardo Izar
Ricardo Izar: está provado que é possível avaliar medicamentos sem o uso de animais vivos.

A Câmara analisa projeto que torna obrigatória informação nas embalagens dos produtos de que eles foram obtidos a partir de testes com animais vivos, quando for o caso. Pela proposta (Projeto de Lei 2470/11), do deputado Ricardo Izar (PV-SP), fica facultada aos produtos e substâncias que não tenham sido obtidos fazendo uso de testes com animais vivos a rotulagem “obtido sem fazer uso de testes com animais vivos”.

Segundo o projeto, a informação também deverá constar do documento fiscal, a fim de que ela acompanhe o produto em todas as etapas de sua cadeia produtiva. As empresas terão prazo de 180 dias para se adequarem à lei, contados a partir de sua aprovação.

Modelos computadorizados
Segundo o autor, já está provado que é possível avaliar medicamentos ou produtos sem fazer uso de animais vivos. Na Europa e nos Estados Unidos, os animais vivos estão sendo substituídos por modelos computadorizados nos experimentos, afirma o parlamentar.

Ricardo Izar afirma que no Brasil, por outro lado, a utilização de animais em cirurgias e experimentos nos cursos de medicina, medicina veterinária, biologia, psicologia e odontologia, entre outros, é uma prática ainda comum. “Espécies como cães, gatos, cavalos, coelhos, camundongos são submetidas a cirurgias e testes, na maioria das vezes dolorosos, sob o pretexto de ‘ensino didático’, ‘pesquisa científica’ ou 'para obtenção de novos produtos’”, lamenta o autor do projeto.

Movimento pelo banimento
Izar observa ainda que no Brasil há um movimento pelo banimento de experimento com animais vivos. “Nas faculdades de medicina veterinária, em particular, estudantes e professores, constrangidos com o fato de aprenderem a cuidar dos animais torturando-os, pedem o fim desse ‘tipo refinado de crueldade’”, ressalta.

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e será examinado pelas comissões de Defesa do Consumidor; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem- Oscar Telles
Edição- Mariana Monteiro

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Sabrina | 09/01/2012 - 10h42
Concordo... porque eles não usam humanos para fazer testes.. já que não querem investir em tecnologia.. nossa realmente somos bem arcaicos.. parabenizo algumas empresas que já usam em seus rótulos produto não testado em animais.
Neusa | 04/01/2012 - 20h21
Sou totalmente contra a vivissecção.É uma prática arcaica,medonha e só é usada porque a indústria não quer pagar para fazer os testes em simuladores de computador,cobaias humanas que se apresentam e são pagas para isso,isar quem precisa do remédio (ou seja lá o que for)e tantas outras formas de testar sem usar animais inocentes,sencientes e indefesos.Aproveitem e façam um PL que tenha no rótulo se existe algum resquício de origem animal nos produtos.Pagamos tudo que usamos e temos o direito de saber.