02/07/2019 - 20h21

Inep garante segurança do Enem e confirma cronograma

Audiência pública na Câmara também debateu mudanças no exame. Dos 5 milhões de alunos que concorrem a uma vaga nas universidades públicas, 70% não alcançam a nota mínima de entrada

Reila Maria/Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre o planejamento e preparações para aplicação do ENEM em 2019. Presidente Substituto do INEP, Camilo Mussi
Camilo Mussi, presidente-substituto do Inep, durante audiência na comissão externa

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão responsável pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), informou que trabalha em parceria com a Polícia Federal na segurança do exame. O presidente-substituto do Inep, Camilo Mussi, também procurou “tranquilizar” os alunos quanto ao cronograma.

“Nós estamos acompanhando no dia a dia e temos a certeza, nesse momento, da segurança que a gente deseja para os exames. O Enem será executado na data: o cronograma está mantido e a prova está mantida com todo o sigilo. Realmente, está tudo em dia”, disse.

Ele participou de audiência pública realizada nesta terça-feira (2) pela comissão externa da Câmara dos Deputados que acompanha as ações do Ministério da Educação. O Enem vai mobilizar mais de 5 milhões de alunos em provas marcadas para os dias 3 e 10 de novembro.

A deputada Rose Modesto (PSDB-MS), que pediu o debate, disse que o objetivo da audiência foi evitar a repetição das “incertezas” do ano passado, quando houve problemas na impressão das provas e riscos de vazamento das questões.

O Enem será aplicado em todos os estados, num total de 1.727 municípios. O exame foi criado em 1998 para medir o nível de aprendizagem dos alunos do ensino médio. Com o tempo, transformou-se na principal porta de entrada dos alunos para as universidades. Porém, os especialistas afirmaram que a nova lei do ensino médio (Lei 13.415/17) - marcada por nova base curricular e ampliação da carga horária - vai impor mudanças no exame a partir de 2021.

Críticas ao modelo
Integrante do Conselho Nacional de Educação, Maria Helena de Castro disse que um dos desafios no debate sobre o Enem é garantir oportunidades iguais para os alunos.

Reila Maria/Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre o planejamento e preparações para aplicação do ENEM em 2019. Representante do Conselho Nacional de Educação, Maria Helena Guimarães de Castro
Maria Helena de Castro: desafio é garantir oportunidades iguais para os alunos

“A obsessão do Enem vai continuar enquanto o Enem for um vestibular nacional centralizado para um número muito reduzido de vagas. São 5 milhões de alunos que concorrem a 230 mil vagas, sendo que o Enem só discrimina para as universidades públicas federais a partir da (nota) média 600. Como 70% dos alunos têm menos de (nota) 500, então, desses 5 milhões de alunos, a gente já sabe que 70% estão fora”, disse. 

Coordenadora da comissão externa, a deputada Tabata Amaral (PDT-SP), também criticou o atual modelo.

“Eu tenho um carinho gigantesco pela pauta de um novo vestibular. Acho que o nosso vestibular, mais do que tudo, se viciou a olhar quem chega mais longe e, de forma alguma, olha quem corre mais. Ele não olha para diferentes tipos de inteligência, ele não olha para o aluno que teve de trabalhar, estudar e cuidar dos irmãos e que estudou em escola pública de baixa qualidade”.

Educação obsoleta
Entre as sugestões apresentadas por deputados e especialistas estão a realização de duas ou três provas por ano, a adoção de provas online e alternativas ao atual modelo de provas de múltipla escolha. Raquel Oliveira, especialista em políticas educacionais da Fundação Getúlio Vargas, disse que as escolas e o Enem devem preparar os alunos para resolver problemas e usar as novas tecnologias disponíveis, e não para memorizar respostas.

“O mundo do trabalho está mudando. Enquanto a gente tem esse reflexo de modernidade para muitos setores, muitas vezes quando a gente conversa com jovens alunos e com professores, vê-se que a escola não se modernizou. Parece que a educação ficou obsoleta e aí a gente entra em um movimento de desequilíbrio. É a partir dele que a gente vai buscar um olhar novo para a inovação”, observou.

Caio Sato, do movimento Todos pela Educação, lembrou que cerca de 10% dos alunos que fazem o Enem são adultos em busca de requalificação profissional. O movimento defendeu o exame como instrumento de política pública para ampliar o acesso à educação.

Ouça esta reportagem na Rádio Câmara
Reportagem – José Carlos Oliveira
Edição – Roberto Seabra

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'