15/05/2019 - 18h48

Ministro fala em má vontade da imprensa e volta a negar cortes

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, negou que atue com viés ideológico. “Os noticiários dos jornais têm uma má vontade e distorcem a realidade”, afirmou. Disse ainda que tem sido tratado como “idiota” pela oposição.

Ele ressaltou que o bloqueio de recursos do Ministério atinge apenas 3,5% dos orçamentos das universidades. Disse ainda que não foi responsável pela medida, determinada pelo Ministério da Economia.

O ministro também vai investir em métricas para aferir resultados. “Para que não viremos a Venezuela, a gente precisa melhorar. Com gestão, transparência, governança, números como na iniciativa privada”, disse.

Ele afirmou que é contra a cobrança da graduação nas universidades. Mas sugeriu que as universidades tenham patrocínios de empresas privadas, como nos Estados Unidos.

O ministro já está há quase quatro horas respondendo aos questionamentos dos parlamentares em comissão geral na Câmara.

Desrespeito
Raul Henry (MDB-PE) afirmou que o ministro precisa se redimir e falar dos fatos que interessam à população brasileira. “É preciso olhar pela ótica da razão, do interesse da sociedade brasileira, não pelo caminho da chacota, do desrespeito, do revanchismo e da ignorância, que marcaram a sua gestão”, disse.

A deputada Renata Abreu (Pode-SP) destacou a necessidade de valorizar os professores e criticou a briga de esquerda versus direita. “Precisamos combater as fake News e apresentar soluções concretas”, disse. Ela destacou que o contingenciamento é prática de todos os governos e exigência da Lei de Responsabilidade Fiscal.

O deputado José Medeiros (Pode-MT) também disse que não se pode confundir contingenciamento de gastos. “Dilma fez, Lula fez, FHC fez e nós fazemos quando o salário acaba antes do mês”, disse.

O debate prossegue no Plenário da Câmara.

Mais informações a seguir

Íntegra da proposta:

Reportagem - Carol Siqueira
Edição - Geórgia Moraes

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'