02/03/2017 - 17h00

Incentivo público para curso à distância na área de saúde pode ser proibido

DEP RODRIGO PACHECO
Rodrigo Pacheco: formação desses profissionais exige aprofundamento de conhecimentos teóricos e técnicos

Tramita na Câmara dos Deputados projeto de lei que proíbe o incentivo do governo ao desenvolvimento e à veiculação de cursos de educação a distância (EAD) na área de saúde.

O texto (PL 5414/16) foi apresentado pelo deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG) e altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB, Lei 9.394/96).

A norma prevê o incentivo público a cursos de EAD e de educação continuada, mas não faz nenhuma restrição à área de saúde.

Pacheco defende que a formação de profissionais dessa área exige aprofundamento de conhecimentos teóricos e técnicos que podem ser prejudicados pela metodologia aplicada aos cursos de EAD.

“As tecnologias em saúde são extremamente dinâmicas, requerendo do estudante contato direto com sua evolução, a fim de garantir a eficácia de sua intervenção como futuro profissional”, argumenta.

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo nas comissões de Educação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Janary Júnior
Edição – Rachel Librelon

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

thiago mariano de mesquita | 01/06/2019 - 13h31
Eu acredito na evolução do ead seja pra que área for,se acabar com cursos ead (ou semipresencial) seja na saúde,educação,etc. Quem irá sofrer será as pessoas pobres de interiores longínquos, as faculdades presenciais ficam distantes de outros municipios,mensalidades caras foram as despesas com transportes,hospedagem e alimentação.Pessoas que sonham e muitos que não puderam cursar uma faculdade terão seus sonhos impedidos do tão sonho curso superior. Acabar não,fiscalizar rigorosamente sim,tanto presencial como ead,queremos ensino de qualidade!
Juarez Ferreira | 23/12/2017 - 07h34
Não tem problema curso a distância na área da saúde,desde que cumpra uma carga horária,em atendimento clínico,em faculdade ou em cursos,já que tem muitos espalhados por aí, realmente se está lei vier a ser aprovada ,vai acabar com o cartel de cursos de formação acadêmica na odontologia,hoje na atualidade os cursos são muito caros e não atende os mais pobres.