30/04/2019 - 16h22

Proposta libera quase R$ 35 bi em despesas bloqueadas pelo Executivo

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre as perspectivas de atuação futura do Ministério da Mulher. Dep. Áurea carolina (PSOL - MG)
O projeto de Áurea Carolina libera os recursos para as universidades que tiveram o orçamento bloqueado pelo Ministério da Educação

O Projeto de Decreto Legislativo 215/19 libera R$ 34,955 bilhões do Orçamento de 2019, contingenciados pelo Executivo em março. A proposta, da deputada Áurea Carolina (Psol-MG), tramita na Câmara dos Deputados.

O texto susta o Decreto 9.741/19, com o contingenciamento de despesas discricionárias do governo federal. O ministério da Educação foi o mais atingido em valor absoluto (bloqueio de R$ 5,840 bilhões); e o de Minas e Energia, em termos relativos (79,5% do valor autorizado).

Áurea Carolina criticou decisão do ministro da Educação, Abraham Weintraub, de cortar recursos de universidades que “não apresentarem desempenho acadêmico esperado e, ao mesmo tempo, estiverem promovendo balbúrdia em seus campi”. Weintraub definiu que balbúrdia seriam “eventos políticos, manifestações partidárias ou festas inadequadas ao ambiente universitário”.

O ministério confirmou em nota que três instituições (UFBA, UFF e UnB) já tiveram 30% das dotações orçamentárias bloqueadas. Segundo a pasta, os bloqueios não devem prejudicar nenhum programa.

Para Áurea Carolina, as declarações do ministro violam princípios como a autonomia universitária e a liberdade de expressão. “O corte anunciado pelo ministro da Educação tem claro recorte ideológico e viola os princípios básicos da Constituição Federal”, disse.

A deputada afirmou que o ministério criou parâmetros abusivos e ilegais para definir o montante a ser bloqueado do orçamento de cada instituição. “A matriz usada é baseada em uma orientação claramente ideológica e configura uso do cargo público para perseguição política das vozes discordantes”, criticou Áurea Carolina.

Tramitação
A proposta ainda não foi distribuída para as comissões temáticas.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Tiago Miranda
Edição – Roberto Seabra

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

daniEL | 01/05/2019 - 16h27
Muito, muito engraçado mesmo, o comentário da dep Áurea Carolina. Enquanto tínhamos a esquerda no poder, ideologia era lei e se não fosse - ainda - virava. Mesmo q isso ofendesse a maioria absoluta cristã no País todo. Agora, ela vem criticar quem pensa diferente dela, mas q é maioria no Brasil, como se os esquerdistas nunca tivessem perseguido quem fosse contrário aos pensamentos d ódio e quase anarquia q eles promoveram e ainda tentam promover. Tenta passar no meio d uma das greves FORÇADAS por eles pra ver o q acontece e as ameaças q sofrerá por não aceitar o q tentam impor à força... :oP