14/08/2018 - 21h07

Direitos Humanos quer levar propostas a presidenciáveis para superar violência

Atlas da Violência mostra que maioria das vítimas de homicídio é de negros e jovens

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre os dados divulgados no Atlas da Violência 2018
Audiência pública reuniu representantes da sociedade civil e de órgãos públicos

A Comissão de Direitos Humanos da Câmara quer reunir propostas para superar a violência contra negros, jovens e mulheres e levá-las aos presidenciáveis. Os deputados debateram nesta terça-feira (14) com representantes da sociedade civil e de órgãos públicos os resultados da última edição do Atlas da Violência (Ipea 2018).

Os dados relativos a 2016 mostram o recorde de 62.517 homicídios no Brasil: 71,5% das vítimas eram negros ou pardos e 53,7% eram jovens, com idades entre 15 e 29 anos (veja infográficos abaixo).

Organizador da audiência pública, o deputado João Daniel (PT-SE), quer levar esses dados e as sugestões em discussão na Câmara para o debate presidencial. "Nós vamos solicitar que todas as propostas sejam publicadas para que, além de todos terem acesso, a comissão possa entregar o debate desse tema aos candidatos à Presidência da República que têm compromisso".

Guerra civil

Representantes de movimentos socioculturais (Coletivo Quilombo, Movimento Hip-Hop, Levante Popular) que atuam nas periferias das cidades afirmaram que os números revelam uma "guerra civil não declarada" e se queixaram de "racismo" nas estruturas do Estado e de "naturalização" da violência contra negros e jovens.

Ouça esta reportagem na Rádio Câmara

Para reverter esse quadro, a vice-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Jessy Santos, defendeu um "programa de emergência", que inclua investimento em educação, emprego e renda, além da criação de um Instituto de Segurança Pública.

"Um instituto de produção de dados sobre segurança, parecido com um Ipea da segurança, que registre os dados e leve esse debate a sério. Infelizmente, quando se abre o debate sobre segurança e violência, a primeira proposta que aparece é reduzir a maioridade penal e encarcerar a juventude brasileira. Acho que a gente tem que dizer em alto e bom som que a nossa juventude não é um problema, ela é um potencial", declarou.

As sugestões da UNE incluem também cotas obrigatórias para negros no Judiciário e no Ministério Público. Outra reivindicação é o fim dos "autos de resistência" como justificativa em mortes provocadas por policiais.


Autos de resistência
A coordenadora de políticas étnico-raciais da Defensoria Pública da União, Rita de Oliveira, lembrou que é baixo o índice de elucidação de casos envolvendo os "autos de resistência" e acusou a Justiça criminal de "cúmplice" nesse processo. "A polícia tem um verdadeiro mandato de morte em nome do Estado e, muitas vezes, não precisa ser suficientemente habilidosa em deixar poucos vestígios de seus excessos para escapar de qualquer indagação por parte de quem deveria controlá-la", denunciou.

A defensora pública disse ainda que o Brasil precisa enfrentar os debates em torno da desmilitarização das polícias e de mudanças nas políticas antidrogas e prisional. 

Vítimas
Na mesma audiência, o Ministério da Saúde revelou que houve 1,5 milhão de notificações de vítimas de violência entre 2011 e 2017, o que representa uma alta de 215% neste mesmo período. Por lei, essas notificações no atendimento do SUS são obrigatórias em caso de violência contra crianças, adolescentes, mulheres, idosos e LGBTs.

Maria de Fátima de Souza, da secretaria de vigilância e saúde do Ministério, trouxe outro dado alarmante da violência contra a mulher.

"Geralmente, ela começa com violência psicológica, depois transforma-se em física e chega no feminicídio ou no suicídio da vítima ou no adoecimento. Quanto à violência psicológica, foram 320 mil casos contra as mulheres e 65.570 contra homens (entre 2011 e 2017)", informou.

Outros dados
Outros dados do Atlas da Violência e das notificações do Ministério da Saúde revelam um preocupante aumento no número de suicídios no Brasil; que 71% dos homicídios ocorrem por meio de armas de fogo; que 68% dos registros de estupro têm menores de idade como vítimas e, que em 30% desses casos, os próprios familiares são os estupradores.

Reportagem – José Carlos Oliveira
Edição – Geórgia Moraes

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

André Sarmanho | 16/08/2018 - 17h09
Os que propagam essas mentiras étnicas desconhecem e nunca escutaram a obra do Grande Compositor de óperas CARLOS GOMES: A ÓPERA O GUARANI, na qual é enaltecida a nossa BRASILIDADE, nossa origem valorosa(DNA): INDÍGENA - TUPI E GUARANI. Portugal nunca, jamais teria exércitos para combater e dominar 20.000.000 (vinte milhões) de índios altamente adaptados e habitantes dos núcleos urbanos que já existiam na época do "Descobrimento". Vocês já se perguntaram porque quase todas as cidades brasileiras têm nomes indígenas?? Portanto,a violência não é só contra NEGROS,a violência é contra BRASILEIROS.
André Sarmanho | 16/08/2018 - 16h55
O Brasil necessita urgentemente substituir grupos de pesquisadores nas Instituições do poder público,pois está escancarado que esses falaciantes desconhecem a formação étnica do nosso Brasil: Senhores e Senhoras inteligentes de nosso Brasil!Não acreditem na mentira de que a maioria de nossa população é de origem negra,pois é pura mentira e está servindo para criar privilégios para os descendentes de negros em nosso País:O BRASIL É UM PAÍS DE MAIORIA FORMADA POR PESSOAS DE COR DE PELE ESCURA,porém,nós somos essencialmente de origem étnica INDÍGENA-TUPI-GUARANI,MISCIGENADA COM BRANCOS E NEGROS!!
Thiago Dhatt | 16/08/2018 - 11h01
Parabéns pela matéria, muito bem feita