12/07/2017 - 09h52

Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência debate o nanismo

A Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência, da Câmara dos Deputados, debate em audiência pública, na quarta-feira (12), as dificuldades enfrentadas pelas pessoas com deficiência e ou mobilidade reduzida, no caso mais específico pessoas com nanismo.

O evento foi proposto pela deputada Rosinha da Adefal (PTdoB-AL). Ela destaca que existem cerca de 200 tipos de nanismo em todo o mundo: “O mais comum é a acondroplasia. Ela é uma anomalia genética, não necessariamente hereditária. A estatura dos anões varia de 70 cm e 1,40 m, e sua capacidade intelectual é normal.”

A parlamentar afirma que “um dos principais problemas que os portadores de nanismo enfrentam é a dificuldade de acessibilidade em alguns locais, onde há produtos e serviços ao público, como prateleiras, degraus de transportes, balcões de atendimento, caixas eletrônicos, entre outros”.

“Outro problema é a falta de respeito e reconhecimento como indivíduos, sendo por vezes tratados como crianças ou ridicularizados. Vale ressaltar que o nanismo pode acometer qualquer pessoa, mesmo sem antecedente familiar”, alerta Rosinha de Adefal.

Convidados
Foram convidados para participar da audiência:
- a presidente da Associação de Nanismo do Rio de Janeiro, Kênia Rio;
- a jornalista Kátia Maria Fonseca Dias Pinto;
- Gisele Rocha, mãe de criança com nanismo;
- a vereadora de Irecê (BA) Meire Joyce Souza Figueiredo;
- o secretário nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Marco Antônio Ferreira Pellegrini; e
- o especialista em Infraestrutura Sênior do Ministério das Cidades, Yuri Rafael Della Giustina.

A audiência está prevista para começar às 15 horas, no plenário 13, e poderá ser acompanhada pelo WebCâmara.

Da Redação - NA

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'