23/05/2013 - 15h34

Unicef defende políticas públicas de proteção para adolescentes brasileiros

Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Audiência pública para apresentação e debate da Agenda Propositiva para Crianças e Adolescentes 2013. Representante da Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Mário Volpi
Mário Volpi, da Unicef, destacou que 80 mil adolescentes foram mortos nos últimos dez anos no Brasil.

O representante do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Mário Volpi, defendeu nesta quinta-feira políticas públicas de proteção para adolescentes. Segundo ele, o foco da proteção, no Brasil, tem sido as crianças, deixando de lado os adolescentes. Ele participou de audiência pública na Comissão de Seguridade Social e Família sobre a Agenda Propositiva para Crianças e Adolescentes 2013.

Conforme Volpi, o Brasil conseguiu reduzir a mortalidade infantil, salvando 24 mil crianças nos últimos dez anos. Mas, nesse mesmo período, 80 mil adolescentes foram assassinados. “Salvamos nossas crianças e matamos nossos adolescentes”, disse. “Não adianta você fazer um grande investimento na primeira década da vida, se não houver também um grande investimento na segunda década da vida”, complementou. “Precisamos entender infância e adolescência como fases complementares, com políticas articuladas para as duas fases.”

Volpi também criticou o debate sobre a redução da maioridade penal. “Não podemos dizer que esta geração está perdida antes de investir nela”, afirmou, defendendo uma proposta pedagógica consistente para garantir o acesso universal de adolescentes ao ensino médio e ao ensino superior.

Reinaldo Ferrigno
Eduardo Barbosa
Eduardo Barbosa: Congresso vive "onda conservadora".

Ele questionou ainda a efetividade da penalização para o combate da criminalidade. De acordo com o representante da Unicef, no Brasil, os adolescentes são responsáveis por 3,8% dos homicídios. “Já nos Estados Unidos, onde existe pena de morte para adolescentes, eles são responsáveis por 11% dos homicídios cometidos”, informou.

Já os deputados Eduardo Barbosa (PSDB-MG) e Erika Kokay (PT-DF) destacaram a necessidade de conscientização da sociedade civil e do Parlamento sobre o assunto. Para eles, se a proposta que reduz a maioridade penal for colocada em votação, será aprovada. Barbosa afirmou que o Congresso vive uma “onda conservadora”. “Os ataques aos direitos das crianças e adolescentes nunca foram tão ameaçadores”, complementou Kokay.

Já a deputada Rosane Ferreira (PV-PR) ressaltou a “falência completa do nosso sistema prisional”. “Como vamos colocar um menino de 16 anos dentro desse sistema?”, questionou.

Reportagem – Lara Haje
Edição – Marcos Rossi

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

LÚCIO RODRIGUES | 26/05/2013 - 20h36
Gostaria de saber desses especialistas e deputados se caso tivessem tido algum ente querido vitimado por esses mesmos jovens, que neste momento defendem tão ferrenhamente, se a opinião seria a mesma. E saber também da nobre deputada se caso tivesse tido uma filha, irmã ou até mesmo a própria mãe estuprada por um "marginal" iria continuar a chama-lo de menino. Espero que esta mesma democracia que me cobra tanto e não me atende como deveria não censure novamente o meu comentário, afinal não ofendi ninguém. "E VIVA ESTA DEMOCRACIA".
LÚCIO RODRIGUES | 25/05/2013 - 17h45
Gostaria apenas de lembrar ao nobre representante do (Unicef), Mário Volpi que: existe uma diferença gigantesca entre "adolescentes" e "adolescentes assassinos" que cometem todo o tipo de atrocidade com o aval do Estado. Concordo que medidas protetivas devam existir, mas para aqueles adolescentes que buscam algo melhor para suas vidas e que queiram mudar. O que vemos hoje é o crime organizado aproveitando das brechas na legislação e se aprimorando cada vez mais. Criticar é fácil, gostaria poder ver alguma idéia concreta desses especialistas para o tema em questão. Chega de falácias!!!