07/08/2012 - 14h31

Denúncias aumentaram depois da aprovação da Lei Maria da Penha

Na última década, 43 mil mulheres morreram vítimas de violência doméstica no Brasil.

A Lei Maria da Penha (11.340/06) completou seis anos nesta terça-feira (7). Desde sua edição, aumentou o número de denúncias contra a violência doméstica, mas os índices de agressão contra a mulher brasileira continuam entre os mais altos do mundo.

Números da Central de Atendimento à Mulher, o Ligue 180, mostram que nos primeiros meses deste ano mais de 2 mil mulheres ligaram, por dia, para denunciar algum tipo de violência. Dessas, 53% denunciaram risco de morte, e outras 20% reclamaram de ameaças de espancamento dentro de casa.

No entanto, a coordenadora-geral de Acesso à Justiça e Combate à Violência da Secretaria da Mulher, Ana Teresa Iamarino, acredita que a violência não aumentou. Segundo ela, o que vem crescendo é o número de atendimentos prestados nas delegacias. "Na medida em que as mulheres têm mais acesso à informação, elas buscam uma resposta do Estado para essa situação, que sempre existiu. Agora, no entanto, temos mais formas de lidar com essa mulher para que ela consiga romper esse ciclo de violência”, avalia Ana Teresa.

Se seu navegador não puder executar o áudio, <a href='http://www2.camara.gov.br/agencia/audios/139012ac62f.mp3' _fcksavedurl='http://www2.camara.gov.br/agencia/audios/139012ac62f.mp3'>obtenha o áudio</a> e salve-o em seu computador.
Concurso celebra os seis anos da Lei Maria da Penha. Saiba mais em reportagem da Rádio Câmara.

Ela explica que as mulheres vítimas de violência podem ser encaminhadas a delegacias especializadas, centros de referência ou casas-abrigo, dependendo da situação. “Elas são encaminhadas para as delegacias de atendimento à mulher quando desejam que o crime seja investigado. Elas podem ainda ser encaminhadas aos centros de referência especializadas no atendimento às mulheres onde terão acompanhamento psicossocial para tentar resgatar a autoestima, a autonomia e buscar inserção no mercado de trabalho”, explica Ana Teresa.

E, no caso de mulheres que estejam correndo risco iminente de morte, Ana Teresa explica que elas são encaminhadas às casas-abrigo. “[Essas casas] são locais seguros e sigilosos em que elas podem ficar enquanto não se resolve a situação do agressor.”

Reportagem – Beto Seabra /TV Câmara
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Adriano | 08/08/2012 - 15h58
Uma boa lei, mas que protege apenas mulheres vítimas de violência doméstica e esquece as vítimas de outros crimes. Acho que deveria existir uma lei que protegesse todas as vítimas criminais.