29/05/2013 - 15h22

Debate na Câmara sobre nova empresa começou no ano passado

A retomada de uma instituição nos moldes das extinta Empresa Brasileira de Assistência Técnica e Extensão Rural (Embrater) está sendo pensada há algum tempo. Em janeiro do ano passado, a subcomissão do leite, criada pela Comissão de Agricultura, informou que iria pedir à presidente Dilma Rousseff a criação de uma empresa brasileira de extensão rural, com o objetivo de formar produtores rurais e capacitá-los para utilizar pesquisas e tecnologias de ponta em suas propriedades.

Desde 2003, o Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural (Dater) responde pela regulamentação da extensão rural e formação novos agentes. De acordo o diretor da Dater, Argileu Martins, o novo órgão foi pensado, segundo ele, por diversos ministérios e entidades como a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em mais de dois anos de estudos

Em abril deste ano, durante discussão no Centro de Estudos e Debates Estratégicos da Câmara, o presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Maurício Antônio Lopes, listou mais de uma dezena de novas tecnologias disponibilizadas pela empresa que não chegam aos agricultores por falta de extensionistas.

Reportagem – Tiago Miranda
Edição – Rachel Librelon

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'