17/05/2019 - 18h24

Maia anuncia agenda conjunta com o Senado para reestruturar o Estado

“Câmara e Senado terão uma agenda muito objetiva de reestruturação do Estado brasileiro, e vamos fazer isso junto com o ministro Paulo Guedes”, afirmou

Dhavid Normando/CBIC
Rodrigo Maia no 91º Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic), Rio
Segundo Maia, as projeções econômicas não caíram por causa da reforma da Previdência

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse nesta sexta-feira (17) que irá trabalhar com os líderes partidários e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, para apresentar nas próximas semanas uma agenda voltada para a reestruturação do Estado brasileiro e medidas de curto prazo para estimular o aquecimento da economia.

“Nós vamos deixar bem claro para a sociedade que a Câmara e o Senado terão uma agenda muito racional, muito objetiva de reestruturação do Estado brasileiro, e vamos fazer isso junto com o ministro Paulo Guedes”, afirmou Maia no 91º Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic), organizado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), no Rio de Janeiro.

Na avaliação de Maia, a polarização política nas redes sociais tem levado a contestações da democracia em vários países, e o Congresso deve mostrar para a sociedade que tem uma agenda muito racional para o desenvolvimento do País.

“Nós não vamos ficar olhando para essas guerrilhas virtuais que existem em todos os campos políticos, é uma confusão enorme esse negócio de rede social. Se a gente ficar olhando rede social, a gente não faz a [reforma da] Previdência, não melhoramos a educação, saúde”, disse.

Previdência
De acordo com Maia, não foram as dificuldades para aprovar a reforma da Previdência que levaram à redução das projeções do crescimento econômico.

"As projeções caíram por outras questões. Isso que me preocupa. Estou preocupado com o curto prazo. Estamos caminhando para o aumento do desemprego e o aumento da pobreza", afirmou.

Para a Maia, a reforma da Previdência segue o cronograma dos trabalhos da Casa e deverá ser aprovada até julho na Câmara dos Deputados. "A Previdência não era mais para ser um dilema, precisa ser a solução", disse o presidente.

Reforma administrativa
Rodrigo Maia defendeu também a reforma administrativa do Estado, para melhorar a eficiência dos gastos públicos.

“Nós precisamos reestruturar a gestão pública no Brasil. O Estado brasileiro ficou caro. Os três Poderes, as carreiras típicas de Estado, os servidores da Câmara, recebem 67% mais que o seu equivalente no setor privado. Nos estados, a média é 30%”, avaliou.

Segundo o presidente, os estudos de uma reforma administrativa já estão sendo analisados pela Câmara dos Deputados e devem ser apresentados em breve. “Não quero tirar um real daqueles que fizeram concurso e tem os seus diretos, mas daqui para frente vamos reconstruir as carreiras”, concluiu.

Da Assessoria de Imprensa

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

João Francisco Nunes | 07/06/2019 - 14h50
boa tarde senhores senadores e Deputados Gostaria de compartilhar com você algos que é preciso para nosso países para os portador de doenças Espodilite anqilosantes do cid m45 está doenças não aparenta no pacientes mais dói muito a coluna lombar e coluna cervical e pescoço que tira a força das perna e a mobilidade do paciente quando o paciente chega no INSS para a pericia os perito reprova o paciente etá doença tinha que dar direito aposentadoria por invalidez porque não tem cura eu trabalhei 25 anos agora descobrir está doença e tenho que tomar remedia o resto da vida tenho que fazer pericia
Divaldo A Santos | 21/05/2019 - 21h02
O Congresso Nacional deveria se preocupar em fazer a REFORMA POLÍTICA. Existe hoje um grande abismo na representação política. A realidade política dos representantes está muito distante da realidade e desejos da sociedade brasileira,o povo não aguenta mais isso!
Divino Eterno Gomes | 20/05/2019 - 19h32
Lugar para reformar é que não falta, concordo com alguém que disse que mudar código penal (1950), imagine o quanto custa para o Brasil as burocracias desse direito, até para ir ao banheiro precisamos de advogado. E no mais tudo aqui é feito ou para dar votos para alguém ou alguém lucrar. É absurdo! O Congresso Nacional pode sim, dar em troca tudo que ele recebeu, afinal ele foi renovado para isso. Ou não? Ele tem tanta credibilidade quanto o mito. E o mito só está levando o País para o caos! Solução é solução e nesse momento precisamos demais!