17/10/2016 - 12h55 Atualizado em 19/10/2016 - 14h15

Projeto prevê aumento para policiais federais, peritos agrários e outras carreiras do Executivo

A Câmara analisa o Projeto de Lei 5865/16, do Executivo, que altera a remuneração de cinco carreiras de servidores públicos e estabelece regras de incorporação de gratificação de desempenho a aposentadorias e pensões. A proposta prevê aumento salarial para cargos das carreiras de Policial Federal; de Policial Rodoviário Federal; de Perito Federal Agrário; de Desenvolvimento de Políticas Sociais; e do departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit).

Os reajustes, que chegam a 37%, serão pagos em três parcelas até 2019. No caso de delegados, o salário no topo da carreira, que hoje é de R$ 22.805,00 passará a ser de R$ 30.936,91. Para o policial rodoviário federal, a remuneração, que hoje é de R$ 12.206,09 no final da carreira, chegará a R$ 16.552,34 em 2019. O Projeto de Lei com os reajustes foi assinado em junho.

De acordo com o governo, o custo da recomposição remuneratória das carreiras terá impacto de mais de R$ 2 bilhões em 2017 (R$ 2.010.400.498,00), mais de R$ 500 milhões em 2018 (R$ 548.206.868,00) e mais de R$ 500 milhões em 2019 (R$ 546.660.923,00).

“As medidas propostas buscam suprir demanda da Administração Pública Federal por pessoal especializado, valorizar os servidores públicos e atrair e reter profissionais cuja qualificação seja compatível com a natureza e o grau de complexidade das atribuições das carreiras e cargos que integram os Quadros do Poder Executivo Federal, condicionante para a consolidação de uma inteligência permanente no Estado”, justifica o texto encaminhado pelo governo.

Incorporação de gratificação
O texto permite que servidores, aposentados e pensionistas das carreiras de Perito Federal Agrário; de Desenvolvimento de Políticas Sociais; e do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes possam optar pela incorporação de gratificações de desempenho aos proventos de aposentadoria ou de pensão.
De acordo com o projeto, os servidores somente podem optar por essa incorporação se tiver recebido gratificações de desempenho por, no mínimo, 60 meses, antes da data da aposentadoria ou da instituição da pensão.

Segundo o texto, o percentual da média dos pontos será aplicado sobre o valor do ponto correspondente ao posicionamento do servidor na tabela remuneratória na data da aposentadoria ou da instituição da pensão, e deve ser formalizada no momento do requerimento de aposentadoria ou no momento do requerimento da pensão.

Pelo projeto, para as aposentadorias e as pensões já instituídas, a opção deve ser feita da data de entrada em vigor da lei até 31 de outubro de 2018.

Tramitação
A proposta, que tramita em caráter conclusivo, será analisada por comissão especial. Se aprovada, segue para o Senado. A votação no Plenário da Câmara só será necessária se houver apresentação de recurso.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Rachel Librelon

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

LUIS ANTONIO DE ARAUJO BOUDENS | 17/10/2016 - 19h22
A última informação da matéria ("O projeto, que tramita em regime de prioridade, será analisado por comissão especial para discutir o tema. Se aprovado, segue para o Plenário da Câmara dos Deputados") não está correta!! O PL 5865 não vai a plenário após aprovado na Comissão Especial, pois tramita em CARÁTER TERMINATIVO!!! Favor corrigir urgente!!! Grato
Prezado senhor Luis, agradecemos o contato. Ficamos satisfeitos em receber sua mensagem, é sempre importante contar com a participação e o controle de nossos leitores! Informamos que a sua observação foi encaminhada e corrigida pelos produtores do Câmara Notícias. É possível acessá-lo no seguinte endereço: http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/517864.html Agradecemos sua sinalização, que é de extrema importância para avaliarmos nosso conteúdo e realizarmos melhorias. Coordenação de Participação Popular Secretaria de Comunicação Social - Câmara dos Deputados
Resposta enviada pela Câmara dos Deputados