31/05/2016 - 23h30 Atualizado em 01/06/2016 - 00h10

Câmara aprova regime de urgência para 12 projetos de reajuste de servidores

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (31) o regime de urgência para 12 projetos de lei com recomposições salariais de diversas carreiras federais. O mérito das matérias será analisado em outras sessões futuras.

Confira as urgências aprovadas:

- PL 2742/15 (Câmara dos Deputados)
- PL 4244/15 (Senado Federal)
- PL 4250/15 (servidores de diversas carreiras do Executivo)
- PL 4251/15 (carreiras da educação)
- PL 4252/15 (agências reguladoras)
- PL 4253/15 (servidores de ex-territórios)
- PL 4254/15 (diversas carreiras, inclusive honorários de sucumbência para AGU)
- PL 4255/15 (forças armadas)
- PL 7922/14 (servidores da Defensoria Pública)
- PL 2647/15 (Procuradoria-Geral da República)
- PL 2747/15 (defensores públicos da União)
- PL 2743/15 (Tribunal de Contas da União)

Posição contrária
O deputado Nelson Marchezan Junior (PSDB-RS) fez questão de marcar sua posição contrária a dar caráter de urgência aos projetos de aumentos salariais. O deputado disse que não é hora de aumentar despesas, levando em conta o deficit nas contas públicas. “Não é contrário a uma carreira, mas dentro de um cenário em que o Brasil vive, neste momento em que temos projeção de deficit nas contas públicas. Não me parece que seja justiça para todos os brasileiros”, afirmou.

O deputado Daniel Coelho (PSDB-PE) destacou que essa é a posição pessoal de Marchezan, não do partido. “Não é a posição do partido, que vai votar a favor dos projetos”, disse.

A postura recebeu críticas do PT, que se referiu aos tempos de arrocho do governo tucano. O deputado Givaldo Vieira (PT-ES) cobrou a aprovação também do mérito das propostas. “São aumentos pactuados e colocados no orçamento federal”, disse.

Reportagem – Eduardo Piovesan e Carol Siqueira
Edição – Pierre Triboli

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Fabiana | 12/07/2016 - 15h51
Estude uns 04 anos de faculdade, depois mais uns 04 conciliando trabalho e estudo, incluindo sábados, domingos e feriados, pague uma taxa de inscrição, enfrente mais de 1000 candidatos por vaga, comece a trabalhar 40 horas numa repartição, expondo seu CPF num trabalho de alta responsabilidade e depois venha falar mal do aumento do servidores. Concordo que deveria haver igualdade neste país, mas a culpa não é de quem batalhou por uma vaga pública, é de todo um sistema. O Brasil precisa mudar, mas não vamos tentar colocar a culpa em funcionários que estão sem reajuste decente há anos.
Dayse Rocha | 03/06/2016 - 23h29
Parabéns aos nobres Deputados que solicitaram regime de urgência para aprovação do Pl 7922/2014.
trinidad Santiago | 02/06/2016 - 08h05
Graças a Deus , porque os servidores das forças armadas ja estávamos sem aumento decente a Mais de doze anos uma vergonha um Pais que não tem um salários dignos para sua defesa nacional.