26/10/2018 - 18h43

Participantes do Câmara Mirim aprovam projeto que proíbe comercialização de canudos de plástico

14ª edição do programa, que simula o processo legislativo com estudantes do ensino fundamental, foi encerrada nesta sexta-feira (26). Texto aprovado pode ser apadrinhado por um deputado federal e passar a tramitar de verdade na Casa

Os participantes do programa Câmara Mirim, que simula o processo legislativo com crianças e adolescentes, aprovaram nesta sexta-feira (26) um projeto de lei que proíbe a utilização e venda de canudos plásticos. Pelo texto, da aluna Natália Oliveira Pereira dos Santos, de Blumenau (SC), os itens de plásticos deverão ser substituídos por canudos metálicos, de papel, vidro ou outro material não danoso ao meio ambiente. O Câmara Mirim está em sua 14ª edição e, neste ano, reuniu 348 estudantes do quinto ao nono ano do ensino fundamental.

Nicolas Biscaia, de 11 anos, proveniente de Tijucas do Sul (SC), atuou como presidente da sessão final do evento, no Plenário Ulysses Guimarães. Ele é vereador mirim em sua cidade e adorou a oportunidade: “Acho que foi uma grande experiência para todos que estão aqui”.

Também vereador mirim em sua cidade natal, Jaraguá do Sul (SC), Vinícius Bonatti, de 13 anos, defendeu a proibição de canudos plásticos. “Essa proposta já está em andamento no Rio de Janeiro, e a gente quer que seja aplicada no Brasil inteiro, a fim de melhorar a qualidade de vida das pessoas e preservar a natureza”, ressaltou.
Os deputados mirins levaram a sério o trabalho e disseram acreditar que a proposta aprovada possa ser apadrinhada por um deputado federal e passe a tramitar, de verdade, na Câmara dos Deputados, como já aconteceu em ocasiões anteriores.

Em 2007, por exemplo, o então deputado Paulo Henrique Lustosa adotou um projeto apresentado no Câmara Mirim que veda o uso de pau-de-arara como transporte escolar. A proposta (PL 2561/07) tramita em conjunto com o PL 2397/07, que trata do mesmo assunto, e aguarda votação pelo Plenário.


Ideias
Sayna Zahrae, de 14 anos, estudante da Escola das Nações, em Brasília, destacou que o Câmara Mirim permite a troca de sugestões em prol de um mundo melhor. “Que, com essas ideias novas, a gente consiga fazer a humanidade evoluir. Estamos precisando agir pelo bem-estar das gerações futuras”, comentou.
Júlia Oliveira, também de 14 anos, estuda em Santa Maria (DF) e ressaltou a importância de se respeitar as opiniões de todos. “Queria pedir que todas as pessoas que têm alguma coisa a dizer que falem e que não se deixem levar pela opinião de outros. O futuro da Nação está nas nossas mãos, e não nas daqueles que tentam empurrar ideias na nossa cabeça.”

O projeto Câmara Mirim atingiu seu objetivo, de acordo com Gabriel Jatobá, de 15 anos, de Maceió (AL): “Achei uma experiência fantástica porque desenvolveu em mim um espírito de fraternidade para quebrar preconceitos e desenvolver a minha consciência política e democrática”.


Democracia
Secretário-geral da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, Leonardo Barbosa enalteceu a importância do Câmara Mirim. Segundo ele, a aproximação dos estudantes com o Parlamento fortalece a democracia.
“Nossa tarefa aqui é construir pontes entre pessoas que pensam diferente e, principalmente, criar uma sensação de afinidade e pertencimento com o Poder Legislativo”, apontou.

As inscrições para o Câmara Mirim de 2019 ano serão abertas em meados do próximo mês. Professores de todo o Brasil interessados no programa deverão enviar uma redação para o site infantojuvenil da Câmara, o Plenarinho, dizendo por que a sua turma de alunos deve participar.