Deputado comenta crise nos hospitais universitários federais e futuro da Ebserh

08/06/2018 11h21

DIRLEI FATIMA DOS SANTOS | 05/03/2019 15h41 | Rio de Janeiro - RJ

Está empresa dentro dos hospitais públicos federais, não vejo necessidade,depois que entrou a situação financeira dos hospitais ficou pior e tem mais os funcionários da Ebserh ganham mais que os concursados RJU EAS insalubridade deles é de 20%,40% enquanto a nossa é de 10%,tendo a mesma função.os funcionários da Ebserh não fazem a metade das atribuições que os RJUS fazem. Eu vejo um desperdício com o dinheiro público,salários destes comissionados são altíssimos, este dinheiro da Ebserh vem da União, sou contra está Ebserh.

Thiago | 27/01/2019 14h46 | Uberlândia - MG

O HC da Universidade Federal de Uberlândia é o único hospital do Brasil que não é gerenciado por essa empresa e é exemplo de funcionamento, atendimento e gestão. O hospital funciona com brilhantismo. Essa empresa só foi criada com o intuito de desvio de verbas e pra acabar com o funcionalismo público, pois quem pertence a essa empresa não é funcionário público e pode ser desligado a qualquer momento. Além disso, um funcionário da EBSERH ganha muito mais que um funcionário concursado que realiza o mesmo serviço, gerando mais custos para a união.

Elisandra Vieira | 19/12/2018 22h46 | Fortaleza - CE

É lamentável que existam opniões contrárias à EBSERH. Tive a oportunidade de ver os dois lados da moeda. Primeiro na qualidade de auditora do SUS, na qual nas visitas realizadas constatávamos uma desorganização dos processos de trabalho, equipamentos sucateados, descontinuidade da assistência prestada... Com a chegada da EBSERH e hoje fazendo parte da empresa, vejo como as coisas melhoraram, a começar pelos profissionais que sempre estão buscando sua qualificação para melhor assistir seus pacientes, cumprindo devidamente a carga horária, aquisição de novas tecnologias assistivas.

Maryane | 01/12/2018 20h18 | Fortaleza - CE

Na criação temos um imbróglio, o TCU disse que é facultativo a cessão ao servidor RJU, e portanto temos duas cadeias de comando na Ebserh, por isso a administração dos HUs com servidores, em sua maioria. As universidades e os HUs sempre foram avaliados como ótimos atendimentos públicos e com as melhores classificações e ganho de prêmios, mesmo com todas as adversidades financeiras. O problema dos HUs nunca foi gerenciamento, mas financiamento. Quanto ao APH, plantão extra implantado para suporte dos HUs em 2009, se ainda existem é por falta de pessoal ou seja ineficiência da Ebserh.

Maryane | 01/12/2018 19h57 | Fortaleza - CE

Essa empresa foi criada desrespeitando a comunidade universitária(Docentes, Dicentes e TAEs). Os HU por muitos anos foram abandonados pelo governo sem investimento na estrutura e na contratação de servidores, leia a justificativa para a criação da empresa enviada no Projeto de Lei. E agora depois de criada só em 2017 movimentou cerca de 4 BILHÕES em recursos públicos, vejam que não falta mais dinheiro para os HUs quando se fala em empresa, mas os HUs continuam sofrendo ainda mais agora com a política de gerenciamento empresarial implantado por essa Ebserh. Saúde não é mercadoria, é direito!

Milra Oliveira | 31/10/2018 10h26 | São Luís - MA

É pertinente o comentário do Eduardo Gomes. Como pode mudar se quem dá as ordens ainda é a antiga gestão, pelo menos no HUUFMA ainda é assim, todas as divisões são chefiadas pelos funcionários da Universidade.

Eduardo Gomes | 04/10/2018 22h06 | Recife - PE

Como Se organiza um lugar com os mesmos gestores do passado. Os mesmos que acobertar as faltas e trabalhos paralelos de outros médicos? Empresa nova, gestão antiga, nada a melhorar. A motivação da Ebserh existir é excelente e não adianta falar em autogestão se há pouco era assim e o serviço prestado era muito pior. Não havia investimentos em infra, tecnologia, controle de funcionários e vínculos. Mas a solução para o problema com certeza não é voltar ao que era. É bem simples, mudem a gestão que ainda pensa como Os antigos. É coloquem pessoas de carreira, que possuem compromisso com a Ebserh.

Adriana Tresso | 04/10/2018 19h18 | Uberaba - MG

Caso a Ebserh seja extinta o que acontecera com os empregados publicos uma vez que adentraram na Ebserh por concurso publico?

Raissa Afonso da Costa | 04/10/2018 05h12 | Natal - RN

Esse seu comentário é bastante pertinente, Joana. Espero que a situação dos empregados da ebserh discutida desde o início e que não seja tratada como a maioria das decisões no Brasil, ou seja, quando o "leite já está derramado". Lembrando que houve concurso de provas e títulos para o ingresso na empresa.

Davi | 04/10/2018 00h28 | Natal - RN

A FASUBRA prega um discurso bonito, fala sobre autonomia universitária e etc, mas a verdade é que estão se lixando para a disseminação do saber e com a saúde de qualidade nesses hospitais universitários. Onde estava essa Federação quando os Hospitais Universitários estavam sendo sucateados por décadas? Estavam calados, pois existe um ato de corrupção dentro dos Hospitais Universitários chamado Adicional de Plantão Hospitalar - APH, servidores recebem horas extras sem cumprir a carga horária integral. A Fasubra quer apenas poder e capital financeiro.
<< < 1 2 > >>

Comentar

Ainda restam caracteres.

Ao enviar qualquer comentário às matérias, o usuário declara-se ciente e aceita integralmente o termo de uso.

Para solicitações – correção, pedido de material ou esclarecimento de dúvidas – entre em contato pelo Fale Conosco.