Conheça as regras da proposta para aposentadorias no serviço público

20/02/2019 15h50
Miguel Neckel Moreira | 30/04/2019 16h25
Já tenho 40 anos de contribuição e 55 anos de idade pois ingressei no serviço publico com 14 anos já estou pagando um pedagio da primeira reforma do governo Lula pois comecei cedo para contribuir 35 anos e me aposentar não consegui e agora com essa reforma vou conseguir já tenho tempo ou terei que pagar mais um padagio?
Maria Donisete | 18/04/2019 09h47
Quero saber como fica o servidor publico que ja tem contribuido com a previdencia e ainda não tem idade, exemplo: 30 de contribuição e 52 anos de idade sendo mulher...fazem exemplo de pagar pedagio somente quem falta o tempo de contribuição...mas não via ainda quem já contribuiu e não tem idade.
jose pucci neto | 23/02/2019 14h43
Fica claro que a diferença entre Socioeducador (a), Professor (a) , Educador (a) Infantil, Professor(a) de Educação Infantil e Educador (a) Social na Reforma da Previdência somos tratados como uma função/ ocupação própria e específica e portanto assim queremos nossa Regulamentação Profissional.
André Sarmanho | 22/02/2019 13h23
Cont... Torna-se extremamente necessário se buscar os dados registrados nos sistemas de saúde pública e privada para se conhecer a verdadeira idade produtiva que a população atinge,pois se esses dados são desconhecidos,se estará diante de um Sistema de previdência Social fictício,onde se presumirá que um segurado estará contribuindo até aos sessenta ou até aos 65 anos de idade,se tiver começado a trabalhar com 20/25 anos quando se estará diante de uma realidade de que 25,30 ou até mesmo 50% dos segurados encontram-se de benefício por conta de alguma doença proveniente da idade avançada.Certo??
André Sarmanho | 22/02/2019 13h10
É necessário atualizar os dados dos cálculos atuariais:como a expectativa de vida para evitar que as aposentadorias de pessoas jovens,na faixa de 55 anos,como ocorre atualmente,quando a expectativa de vida hoje passa de 70 anos.Porém,tempo de contribuição de 40 anos é um disparate,pois se vai criar um grande contingente de trabalhadores que entrarão de benefício e se aposentarão sem contribuir,pois os mais velhos adoecem mais e se forem segurados vão quebrar a Previdência mais rapidamente no futuro.Raciocinem que chegarão à conclusão de que terão mais doentes de benefício do que contribuindo.
Ester Timler | 22/02/2019 12h27
E o que dizer sobre quem está a menos de 1 ano da aposentadoria? No meu caso, sou mulher, tenho 55 anos, e mais de 37 anos de contribuição. Para aposentar só me falta completar o tempo de serviço público de 20 anos (menos de 1 ano). Para garantir a integralidade dos proventos vou ter que trabalhar mais 6 anos, o que dá mais de 43 anos de contribuição. Acho que quem está muito perto de completar os requisitos, pela lei atual, não deveria ser jogado no mesmo balaio de quem está no serviço público há pouco tempo. Pra mim não teve regra de transição.
Andre Pereira da Silva | 21/02/2019 22h14
Realmente, é uma grande hipocrisia dizer que os servidores públicos são "privilegiados". Não estou negando que as remunerações são, em regra, maiores que as do setor privado, mas a aprovação em um concurso público demanda, muitas vezes uma vida. Antes de realizar tal reforma deveriam cobrar todos os valores devidos pelos grandes devedores da previdência no Brasil, os Bancos. Há alguns anos foi perdoada uma dívida do Itaú de 20 Bilhões de reais. Além disso, deveriam acabar com a DRU, que em 2017 foi estendida para os Estados e prorrogada. Por fim, os maiores privilégios hoje são dos políticos.
Luciano José Resende Walsh | 21/02/2019 21h53
Dancei, quem mandou eu começar a trabalhar cedo. Hoje, com 48 anos de idade e 30 anos de contribuição serei um grande prejudicado. A confusa reforma previdenciária vai me fazer contribuir 48 anos para aposentar com 65 anos de idade, se o estresse do trabalho permitir. Isso se não mudar depois e me fazer trabalhar até os 100 anos de idade. Escravidão é isso. Tinha que ter aposentadoria por idade, quando o sujeito tiver 40 anos de contribuição. Não façam isso, já tive um infarte e não sei se aguentaria trabalhar mais 18 anos, é covardia, pensem bem, Deus julgará vocês, se forem injustos.
Rodeigo Ventura de Oliveira | 21/02/2019 16h45
Quem paga a conta são sempre os mesmos, ou seja, a grande massa trabalhadora e os servidores públicos, especialmente os que não têm privilégios. E o que dizer dos grandes devedores da previdência? Bilhões e bilhões de reais. Mas com eles não se mexe, porque fazem parte da parcela que realmente manda neste País.
AUGUSTO TEIXEIRA LIMA | 20/02/2019 18h54
O ônus todo vai para o servidor público, enquanto os grandes sonegadores não pagam as contribuições sociais que devem.
<< < 1 > >>

Comentar

Ainda restam caracteres.

Declaro que estou ciente e aceito integralmente o termo de uso.

Para solicitações – correção, pedido de material ou esclarecimento de dúvidas – entre em contato pelo Fale Conosco.