Sessão da Câmara dos Deputados de 06/08/1979

 

Sessão da Câmara dos Deputados de 06/08/1979 | Áudio

 

Adhemar Santillo (MDB, GO) - Arquivo PDF | DCD 07/08/1979, pág. 7526

Aborda o problema da anistia, reclamando a extensão da medida aos que foram punidos por atividades terroristas, especialmente os jovens que, a partir da edição do AI-5, em 1968, só tiveram como alternativa empunhar armas na tentativa de modificar a situação da sociedade brasileira. Lê, a propósito, notícia do "Correio Braziliense" intitulada "Processo do estudante que fabricava bombas".

 

Walter Silva (MDB, RJ) - Arquivo PDF | DCD 07/08/1979, pág. 7526

Bate-se por uma anistia ampla, que abranja todos os acusados de crimes políticos, lembrando que apresentou, com esse objetivo, substitutivo ao projeto do Governo. Protesta contra a prisão, pelo DOPS do Rio de Janeiro, do Professor Godofredo da Silva Pinto, que, no exercício de suas funções de Presidente da Sociedade Estadual de Professores, decidiu convocar a sua categoria profissional para deliberar sobre os rumos a tomar em face da greve do magistério do Estado. Condena todas as medidas de violência e de arbítrio que diz serem tomadas no País para a consolidação do regime militar, quando, salienta, outros países da América Latina, como o Equador, Bolívia e Peru, reingressam decididamente no regime democrático. Responsabiliza o regime vigente pela situação do País, enfatizada no Relatório Reservado nº 666, que traça um quadro dramático da economia, levada a esta circunstância pelo regime militar com seu projeto Brasil Grande.

Jorge Uequed (MDB, RS) - Arquivo PDF | DCD 07/08/1979, pág. 7528

Critica o projeto de anistia encaminhado pelo Governo ao Congresso Nacional. Entende que o Parlamento deve assumir de fato a representação da vontade popular, que anseia por uma medida de caráter amplo, geral e irrestrito.

 

Aldo Fagundes (MDB, RS) - Arquivo PDF | DCD 07/08/1979, pág. 7529

Consigna nos Anais pronunciamento do Colégio Episcopal da Igreja Metodista a favor da concessão de uma anistia ampla, geral e irrestrita.

 

Odacir Klein (MDB, RS) - Arquivo PDF | DCD 07/08/1979, pág. 7537

Faz restrições ao projeto de anistia elaborado pelo Governo, particularmente no que diz respeito aos funcionários públicos civis e militares, lamentando que o Presidente da República tenha perdido a oportunidade de tornar-se realmente popular mediante a concessão dessa medida de maneira ampla, geral e irrestrita, o que seria muito mais eficaz do que as campanhas que vêm sendo empreendidas com a finalidade de fazer simpática a figura de Sua Excelência. Analisa os motivos que levaram o Presidente João Figueiredo a conceder apenas uma anistia parcial, destacando a necessidade de distrair, com a discussão da matéria, a opinião pública dos graves problemas sócio-econômicos que estão levando o País à falência. Endossa o conceito expendido pelo Senador Teotônio Vilela de que não houve terrorismo no Brasil.

Ações do documento