Moção de Solidariedade aos trabalhadores em greve na Embraer

Moção de Solidariedade aos trabalhadores em greve na Embraer, que foram alvo de abuso e violência praticados pela Tropa de Choque da Polícia Militar do Estado de São Paulo durante a paralisação ocorrida no dia 25 de setembro de 2019

            A CLP - Comissão de Legislação Participativa da Câmara dos Deputados, no seu dever de defender valores e princípios em prol da sociedade, aprova esta moção de solidariedade aos trabalhadores em greve na Embraer, que foram alvo de abuso e violência praticados pela Tropa de Choque da Polícia Militar do Estado de São Paulo durante a paralisação ocorrida no dia 25 de setembro de 2019.

            Iniciada no dia 24 de setembro de 2019, a greve dos trabalhadores da Embraer, em São José dos Campos, interior paulista, foi suspensa na manhã seguinte (25.09) em razão da truculência da Polícia Militar do Estado de São Paulo que, a pedido da empresa, utilizou de aparato e práticas repressivas para desmobilizar os metalúrgicos e impedir sua paralisação.

            Para constranger a adesão à greve, policiais mascarados realizaram um “corredor polonês” para que os trabalhadores passassem e entrassem na empresa. Também houve emprego da violência policial contra sindicalistas que estavam na organização do movimento. Como mostram imagens gravadas no local, o diretor do Sindicato Alex da Silva Gomes foi agredido pela PM, mesmo já estando caído no chão.

            A luta dos metalúrgicos da Embraer é por aumento real de salário e em defesa de seus direitos. É, portanto, uma luta legítima e merece toda solidariedade das entidades de classe, sociedade civil organizada e também das instituições democráticas. A Campanha Salarial da categoria diz respeito somente ao Sindicato, trabalhadores e empresa. Não deve, em hipótese alguma, se transformar em um caso de polícia.

            Diante deste cenário, é preciso repudiar o comportamento da Embraer, que solicitou intervenção policial para atacar um movimento grevista legítimo, e da própria corporação policial, que agiu com abuso de autoridade e violência, extrapolando suas atribuições legais e constitucionais.

 

Brasília (DF), 2 de outubro de 2019.

  

Deputado Leonardo Monteiro (PT-MG)                               Deputada Érika Kokay (PT-DF)

Presidente da Comissão                                                         Vice-Presidente da Comissão

Ações do documento