Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Página Inicial / Deputados / Quem são

Biografia


LUIZ VIANA - UDN/BA
Luiz Viana Filho
Nascimento: 28/3/1908
Data de falecimento: 5/6/1990
Naturalidade: Paris, França
Profissões: Advogado, Jornalista, Professor e Historiador
Filiação: Luiz Vianna e Joana Gertrudes Viana
Escolaridade: Superior
Mandatos (na Câmara dos Deputados):
Deputado Federal, 1935-1937, BA, LASP. Dt. Posse: 06/05/1935; Deputado Federal (Constituinte), 1946-1951, BA, UDN. Dt. Posse: 18/02/1946; Deputado Federal, 1951-1955, BA, UDN. Dt. Posse: 26/03/1951; Deputado Federal, 1955-1959, BA, PL. Dt. Posse: 02/02/1955; Deputado Federal, 1959-1963, BA, UDN. Dt. Posse: 02/02/1959; Deputado Federal, 1963-1967, BA, UDN. Dt. Posse: 02/02/1963.
Licenças:
Licenciou-se do mandato de Deputado Federal, na Legislatura 1963-1967, para exercer o cargo de Chefe do Gabinete Civil da Presidência da República, de 16 de abril de 1964 a 19 de julho de 1966.
Filiações Partidárias:
UDN; PL; ARENA; LASP, 1933-.
Atividades Partidárias:
Vice-Líder, PL, 1963-1964.
Atividades Parlamentares:
SENADO FEDERAL:
MESA: Presidente, 1979-1980. Comissões: Presidente da Comissão de Relações Exteriores nas 46ª e 47ª legislaturas.

CÂMARA DOS DEPUTADOS:
COMISSÕES PERMANENTES: Diplomacia: Titular, 1955; Distrito Federal: Titular, 1962; Economia: Titular, 1954, 1959; Finanças: Titular, 1947-1951; Orçamento e Fiscalização Financeira: Titular, 1955-1962; Relações Exteriores: Titular, 1963-1964, e Suplente, 1959; Segurança Nacional: Suplente, 1956-1958, 1963-1964; Transportes: Titular.
COMISSÕES ESPECIAIS: Vale do São Francisco: Membro, 1963.
CPI: Petrobrás: Membro, 1963; Petróleo: Membro, 1963.
Mandatos Externos:
Governador, BA, Partido: N/D, Período: 1967 a 1971 Senador, N/D, Partido: ARENA, Período: 1975 a 1983 Senador, N/D, Partido: N/D, Período: 1983 a 1991, Constituinte
Atividades Profissionais e Cargos Públicos:
Procurador do Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Marítimos-IAPM, 1938; Chefe do Gabinete Civil do Presidente Castello Branco, 1964-1966; Ministro da Justiça interino e Ministro da Educação e Cultura interino (ambos em 1966); Professor Catedrático de Direito Internacional Público da Faculdade de Direito da Bahia,1933; Professor de Direito Internacional Privado na Faculdade de Direito da Bahia e Professor de História do Brasil na Faculdade de Filosofia da Universidade da Bahia, 1940-1943; Redator, Diário da Bahia 1924-1925, A Tarde,1925-1929 e Revista de Cultura Jurídica,1929-1932, Salvador; Membro da Academia Brasileira de Letras 1954; Membro da Academia de Letras da Bahia; Membro da Acade-mia Brasiliense de Letras; Membro Correspondente do Instituto Geográfico e Histórico Brasileiro; Membro Correspondente da Academia Internacional de Cultura Portuguesa; Membro da Academia de Ciências de Lisboa e Academia Portuguesa de História.
Atividades Sindicais, Representativas de Classe e Associativas:
Foi eleito, em 1954, para a Academia Brasileira de Letras, onde ocupou a cadeira nº 22, de que é patrono José Bonifácio, o Moço. Pertenceu também ao Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, à Academia de Letras da Bahia, à Academia das Ciências de Lisboa e à Academia Portuguesa de História. Foi vogal da Sociedade de Escritores Brasileiros, Diretoria do Rio, 1947.
Estudos e Cursos Diversos:
Colégio Burlamaqui Moura, 1920-1924; Colégio Anchieta; Aldridge College; Bacharelado em Ciências Jurídicas e Sociais, Fac. de Direito da Bahia, 1928.
Obras Publicadas:
A Sucessão ab-intestato e o Direito Internacional Privado, 1930;
O Direito dos Empregados do Comércio (em colaboração com Aliomar Baleeiro), 1932;
A Sabinada: Revolução Baiana de 1837, 1938;
A Língua do Brasil, 1939;
A Verdade da Biografia, 1945;
A Vida de Rui Barbosa, 1941;
O Negro na Bahia, 1946;
Rui e Nabuco, 1949;
A vida de Joaquim Nabuco, 1952;
Rui Barbosa - antologia (seção, prefácio e notas), 1953;
A Bahia Espoliada (discursos parlamentares), 1958;
A Vida do Barão do Rio Branco, 1959;
Afrânio Peixoto, 1963;
A Vida de Machado de Assis, 1965;
A Sucessão de Adelmar Tavares, 1972;
O último ano de Rui na Bahia, 1972;
Elogio de Antônio da Silva Melo, 1974;
Rui Barbosa: seis conferências, 1975;
O Governo Castello Branco, 1975;
Ação da palavra, 1977;
Evocação de Rui Barbosa, 1978;
A vida de José de Alencar, 1979;
Contribuição do padre Antônio Vieira para os direitos do homem, 1979;
A nova fase da República, 1979;
Três estadistas: Rui, Nabuco, Rio Branco, 1981;
A vida de Eça de Queirós, 1983;
Petroquímica e industrialização da Bahia, 1984.

Perdas de Mandato:
Na primeira legislatura de que participou, perdeu o mandato de deputado federal em 10 de novembro de 1937, com o início do Estado Novo.