Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Página Inicial / Comunicação / Câmara Notícias / Câmara Destaca / Rede de Mulheres Parlamentares AP-CPLP

Presidente da Rede de Mulheres da CPLP quer viabilizar capacitações em língua portuguesa e saúde pública em Timor-Leste

Rosangela Gomes reuniu-se com embaixador do país lusófono para debater as propostas da Câmara, aprovadas em abril, durante conferência da Rede
20/06/2017 16h40

A presidente da Rede de Mulheres da Assembleia Parlamentar da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (RM-AP-CPLP), deputada Rosangela Gomes (PRB-RJ), busca apoio junto ao governo federal para a doação de medicamentos e vacinas aos integrantes do grupo que necessitam combater e erradicar doenças como a tuberculose, por exemplo. Outra iniciativa da Câmara é realizar um curso sobre campanhas de saúde, com destaque para a saúde da mulher, elaborado pelo Departamento Médico da Casa, a ser ministrado em conjunto com os parlamentos que desejarem sediar a capacitação. As ações foram discutidas com o embaixador do Brasil em Timor-Leste, Aldemo Garcia, em Brasília. 

“A Língua Portuguesa é o que nos aproxima, nos une. A Rede de Mulheres da CPLP e a Câmara dos Deputados estão prontas para auxiliar Timor-Leste”, afirmou a parlamentar. “O nosso objetivo é promover a aproximação entre as Casas Legislativas e oferecer uma contribuição concreta”, completou. Em abril de 2016, a Câmara sediou a 6ª Assembleia Parlamentar da Comunidade e assumiu a presidência até 2018.

Aldemo Garcia disse que Timor-Leste, com 1,2 milhão de habitantes, tem um sistema de saúde pública precário. “O acesso aos serviços de saúde no país é um problema sério. Os habitantes precisam se deslocar para Cingapura e Bali, província da Indonésia, dependendo da complexidade”, destacou.

No encontro, foram discutidas outras propostas da Rede a serem desenvolvidas naquele país. Durante a Conferência da RM-AP-CPLP, realizada em abril na Câmara, foi aprovado um plano estratégico com ações para ampliar o intercâmbio de informações e a cooperação interparlamentar. Uma delas é ofertar um curso em língua portuguesa, com ênfase no contexto legislativo, voltado para parlamentares e assessores que manifestarem interesse. Embora integrem a CPLP, há países que não têm o português como idioma oficial, caso da Guiné Equatorial. O curso será ministrado pelo Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento (Cefor) da Casa.

Rosangela Gomes enviou um ofício ao presidente do Parlamento Nacional de Timor-Leste, com os detalhes dos projetos, a fim de agilizar a viabilização das propostas. “Havendo interesse dos parlamentares timorenses em participar de alguma dessas atividades, pedi que comuniquem à Embaixada do Brasil em Díli, para que possamos elaborar conjuntamente o calendário e as condições dessa cooperação”, concluiu a deputada.