Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

26/03/2015 21h30

Como outros países abordam as infrações cometidas por adolescentes

No segundo episódio da série sobre redução da maioridade penal, a representante do Unicef explica o tratamento dado em outros países para os adolescentes em conflito com a lei

Incorporar:
A visualização e/ou o uso deste material está condicionada pelos Termos de Uso do Câmara Notícias.
Durante a campanha presidencial de 2014, um dos temas que dominou as discussões entre os candidatos foi a redução da maioridade penal. Agora, com a retomada dos trabalhos no Legislativo, há a expectativa de que os mais de 50 projetos que tratam do assunto voltem à pauta.
Atualmente, o Brasil está de acordo com a maioria. De 54 países pesquisados pelo Unicef, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, 78% fixam em 18 anos ou mais a idade mínima para que um jovem seja considerado responsável criminalmente.

Para saber mais sobre como a questão do adolescente em conflito com a lei é tratada em outros países, o Ponto de Vista convidou Karyna Sposato, consultora do Unicef.

Apresentação - Fabiana Melo



Comentários

Fernando Gonçalves | 26/04/2015 20h17
O povo quer a redução da maioridade penal. Só a esquerda quer o contrário. Por quê? Cadeia é para punir, quem socialização e ensina é uma outra instituição - a Escola, que a maioria destes jovens infratores desdenha e abandona.
Jorge | 14/04/2015 00h31
SOU A FAVOR DA REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL. A REDUÇÃO DEVERIA SER PARA 14 ANOS, MAS, 16, JÁ SERÁ UM GRANDE AVANÇO. EM CUBA, POR EXEMPLO, A MAIORIDADE PENAL É DE 16 ANOS.
Murilo | 04/04/2015 19h15
+ direitos + humanos + educação + politicas publicas restaurativas - odio de senso comum