Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

07/12/2017 19h37

Rodrigo Maia diz que vai trabalhar para aprovar Reforma da Previdência ainda neste ano

Na noite desta quarta-feira, líderes voltaram a se encontrar com o presidente da República, Michel Temer, para tentar contabilizar os votos, mas os parlamentares favoráveis à reforma ainda não são suficientes para garantir sua aprovação no Plenário

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, defendeu mais uma vez a necessidade da aprovação da Reforma da Previdência. Em entrevista coletiva nesta quinta-feira (7), Maia disse que apesar de o governo ainda não ter os votos para aprovar a reforma, ele vai continuar trabalhando para votar o texto ainda neste ano. Na noite desta quarta-feira, líderes voltaram a se encontrar com o presidente da República, Michel Temer, para tentar contabilizar os votos, mas os parlamentares favoráveis à reforma ainda não são suficientes para garantir sua aprovação no Plenário.

Segundo Rodrigo Maia, já há um convencimento de que, sem a reforma, o impacto negativo no equilíbrio fiscal será enorme.

"Não é uma questão ideológica, é uma questão de responsabilidade e discutir o tempo que for necessário para votar. O que todos nós precisamos entender é que esse assunto estará na pauta da eleição de qualquer jeito. Se lá na frente a gente não tiver condições de votar, no mínimo, a gente deixou um legado, urgente, que há um déficit, crescente e vai comprometer o futuro das próximas gerações. Estamos comprometendo o futuro de milhões de crianças, que todos dizem que defendem. Vamos continuar trabalhando até conseguir os votos. Eu tenho muita esperança em algum momento que vamos conseguir votar e espero que seja ainda esse ano".

O presidente afirmou ainda que vai discutir o tema o tempo que for necessário até convencer os parlamentares de que a sua não aprovação compromete as futuras gerações. Maia destacou ainda que o impacto da não votação da reforma pode ser tão ruim que pode gerar um resultado muito negativo no processo eleitoral para os que fazem parte da base do governo.

Reportagem - Luiz Gustavo Xavier