Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

16/11/2017 19h09

SUS oferece acupuntura e yoga em Centros de Atenção Básica à Saúde

Para discutir o tema, a Comissão de Seguridade Social e Família realizou um seminário com a participação de representantes dos conselhos de saúde, do Ministério da Saúde, do Ministério do Trabalho e de médicos

O Sistema Único de Saúde oferece terapias como acupuntura e yoga nos Centros de Atenção Básica à Saúde.

Conhecidas como práticas integrativas, essas ações têm por objetivo dar mais qualidade de vida à população.

Para discutir o tema, a Comissão de Seguridade Social e Família, em conjunto com a Frente Parlamentar Mista de Práticas Integrativas em Saúde e a Frente Parlamentar Mista de Educação, realizou um seminário com a participação de representantes dos conselhos de saúde, do Ministério da Saúde, do Ministério do Trabalho e de médicos.

O presidente do Conselho Nacional de Saúde, Ronald Ferreira Santos, afirmou que as práticas integrativas têm como base a manutenção da saúde para que o paciente não precise fazer uso da medicina curativa. Para ele, essas práticas não representam nenhuma ameaça para os pacientes, desde que eles sejam encaminhados de forma correta pelos centros de atendimento à saúde.

"As práticas integrativas não concorrem com ninguém porque a lógica das práticas é integrar e se complementar ao conjunto do que a ciência oferece para que as pessoas vivam mais e melhor."

O diretor do Departamento de Atenção Básica da Secretaria de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, João Salame Neto, afirmou que o atendimento com uso de práticas integrativas já está disponível em boa parte das Unidades Básicas de Saúde, e agora o ministério está investindo na divulgação desses serviços.

"É um processo que iniciou antes, era um processo bastante tímido, as pessoas tinham até preconceito em relação a essas práticas e hoje mais de 3 mil estabelecimentos de saúde já estão com algum tipo de prática em execução, então vamos continuar com essa política."

O autor do requerimento para a realização do seminário, deputado Saraiva Felipe, do PMDB de Minas Gerais, afirmou que as práticas integrativas já são muito utilizadas em vários países, mas no Brasil ainda há muito desconhecimento, que só pode ser vencido com a realização de discussões públicas para que a população tome conhecimento da importância desses tratamentos.

"Nós vamos ter que fazer um trabalho de divulgação, mas antes temos que organizar a rede para oferecer esse serviço."

O SUS oferece, desde março deste ano, 19 práticas integrativas e complementares à população, entre elas homeopatia, acupuntura, fitoterapia, biodança, meditação, musicoterapia, quiropraxia e yoga.

Reportagem - Karla Alessandra



Comentários

WEBERSON | 17/11/2017 07h47
Interessante. Essa medida é fundamental para o conceito de saúde da OMS de 1948- Bem estar físico, mental e social. Gostaria de sugerir, na pauta de atenção básica, a existência de psicólogo para assistência a mulher, a criança, o adolescente e a família. Bem como terapias sociais que tratem de temáticas como violência, educação sexual, sexualidade, drogas, alcoolismo, planejamento familiar, orientação profissional e outras comuns a comunidade.
Maria A R C | 16/11/2017 20h02
Já utilizei homeopatia, excelente; porém entendo que deixa a desejar os serviços de atenção básica por exemplo me dirigi a UBS com 17.98 pressão e não fui acolhida, achei lamentável.