Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

11/08/2017 09h34

Debatedores defendem criação de Dia Nacional das Pessoas Surdocegas

Assunto foi discutido em audiência pública na Câmara na última quarta-feira. A criação da data poderá contribuir para conscientizar sobre o tema e para a criação de políticas públicas específicas

O dia 18 de novembro poderá ser dedicado aos brasileiros com surdocegueira. A criação do Dia Nacional das Pessoas Surdocegas foi tema de audiência pública na Câmara (em 09/08/17) e, segundo os participantes do evento, poderá chamar mais atenção para o assunto.

A surdocegueira é uma deficiência caracterizada pela ausência da visão e da audição de forma simultânea e em graus diferentes. Não são duas deficiências juntas, mas sim uma deficiência única, que precisa ser tratada de forma específica. Segundo a Feneis, Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos, estima-se que existam cerca de 40 mil surdocegos no Brasil. Nos Estados Unidos há mais 50 mil pessoas com essa condição, e na União Europeia, 150 mil pessoas.

Existem várias formas de comunicação utilizadas pelos surdocegos que dão mais qualidade de vida a eles. As principais incluem o braille, escrita "em fôrma" na palma da mão, libras tátil ou em campo reduzido, e o tadoma, na qual a pessoa coloca o polegar na boca do falante e os dedos ao longo do queixo.

E é pelo tadoma que a Cláudia Sofia se comunica. Ela é surdocega adquirida - ficou surda aos 6 anos e perdeu a visão aos 19. A família não tinha informações a respeito de escolas especiais e Cláudia, que acabou estudando com ouvintes, ainda mantém sua fala. A moradora de São Paulo relata que tem uma vida independente e que quer ajudar as futuras gerações:

"São 28 anos que eu sou surdocega e venho trabalhando dentro das políticas públicas, não só na saúde, no trabalho, no lazer e tudo mais. Não é porque nós não temos os nossos olhos e os nossos ouvidos que a gente vai deixar de fazer, a gente vai se isolar, a gente vai se esconder da sociedade. Não, a gente está pronta para mostrar para a sociedade que a gente pode estudar, trabalhar, casar, construir família. É um momento histórico para todos nós e a gente vai continuar trabalhando para que jovens e famílias na área da surdocegueira possam ter um futuro cada vez melhor."

Os expositores destacaram que os surdocegos têm desafios de acessibilidade, comunicação e mobilidade diferentes das pessoas só com surdez ou só com cegueira, e que a data poderá contribuir para que a sociedade conheça e tenha mais informações sobre o tema, como explica o representante da Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Wederson dos Santos:

"Às vezes nós não podemos imaginar que os surdocegos tenham demandas semelhantes aos surdos ou às pessoas com deficiência visual. Há, em muito sentido, demandas que são específicas. (...) Trazer visibilidade para a temática é um importante primeiro passo para abrir e forçar o debate no sentido da sociedade, da organização das demandas, e modo como o governo, nas diversas esferas, responde a essas demandas."

Para o deputado Diego Garcia, do PHS do Paraná, que presidiu a discussão, essa foi uma das audiências mais importantes da legislatura atual e de seu mandato.

Eduardo Barbosa, deputado pelo PSDB mineiro, se prontificou a elaborar o projeto de lei que institui o Dia Nacional das Pessoas Surdocegas. A data de 18 de novembro foi escolhida em homenagem a Nice Tonhozi de Saraiva (que faz aniversário nesta data), pioneira na educação direcionada aos surdocegos na América Latina.

Reportagem - Leilane Gama