Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

25/10/2016 10h50 - Atualizado em 04/11/2016 08h52

O futuro nunca vai repetir o passado – como se preparar para ele?

A verdadeira revolução está nos métodos e na forma de ouvir as pessoas, criar novas necessidades, motivá-las e assim gerar um novo estilo de vida.

É impressionante a capacidade que as novas gerações têm em lidar com conceito e aplica-los neste mundo todo conectado. Imaginem que eu deparei com um jovem empresário de 30 anos que disse numa aula para educadores que redes digitais é um termo fora de moda. E eu que achei que estava aqui arrasando neste programa com questões digitais para cá, e redes conectadas para lá. O que esse jovem me mostrou é que a sociedade do ano 2000 como planejada não foi nada daquilo, nem carros voadores, nem escolas sem livros. A verdadeira revolução está nos métodos e na forma de ouvir as pessoas, criar novas necessidades, motivá-las e assim gerar um novo estilo de vida. Vejam só o que a Apple fez com seu Iphone, e houve previsões sinistras de que a empresa de Steve Jobs jamais dominaria uma parcela grande do mercado. Assim como Thomas Watson disse em 1943 que não haveria espaço para mais de cinco computadores no mundo! Ou Ken Olsen esbravejou: “ninguém nunca vai ter um computador em casa”. Quando muitos pensaram que a era das inovações estava encerrada... no início do século passado, como apregoou Charles Duell, a gente descobre que o futuro é completamente diferente do que se imaginou. E lembra que a internet sequer foi pensada como ela é até pouco mais de duas décadas atrás. Minto, menos que isso, porque no Fortum Econômico Mundial, na lista do que seria revolucionário nos próximos anos, não foi mencionado nada parecido com o que é a internet hoje. E isso foi em 1998.

Uma das técnicas das consultorias de inovação nas empresas é a do chapéu. Você coloca o chapéu e faz sua equipe pensar: vermelho é para problemas; verde é para soluções, dourado é para elogios e preto significa: o tempo fechou.... a bronca é geral! Nós precisamos criar para nós um cinto de utilidades, diz o consultor, e se os governos não assumirem seus papéis, alguém via assumir, diz o guru, nem que seja o crime organizado. Vale a pena conferir, com lágrimas nos olhos, e claro, a experiência de uma escola de inglês que criou uma plataforma para unir seus estudantes no Brasil e velhinhos em casas de asilo nos Estados Unidos, vai VoiP, voz sobre IP. Eles até poderiam aprender inglês, diz o consultor. Mas a experiência humana da troca de gerações e de culturas via ondas magnéticas é mais que inovadora! É comovente. Se pensarmos que o primeiro computador com disco rígido, um IBM RAMAC 305 tinha o tamanho de um avião, mas a mesma capacidade de memória que hoje está embarcado num aparelho de celular, 4,4 MB, é assustador identificar que apenas 3% das empresas do setor público inovam, porque é muito difícil desapegar dos padrões, dos cargos, das projeções.
“A gente precisa se dispor a abrir mão da vida que planejamos a fim de encontrar a vida que espera por nós.”
O programa de hoje foi um convite ao desapego, à reflexão, à disrupção.... Joseph Campebel nos deixa a lição. Tem um futuro lá fora esperando por nós. E nossos filhos irão fazer coisas que nós nem imaginamos... vamos a elas. ..

Dúvidas, críticas e sugestões para papodefuturo@camara.leg.br

***Poderá haver diferenças entre o texto escrito e a coluna realizada ao vivo no programa "Com a Palavra", da Rádio Câmara***

Roteiro e comentários – Beth Veloso
Apresentação – Elisabel Ferriche e Lincoln Macário