Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

02/02/2016 12h24 - Atualizado em 25/08/2016 15h00

Google Net e 2016

Num discurso um tanto apocalíptico do que será do amanhã nas telecomunicações, o desafio em 2016 será evitar que os Golias engulam de vez os pequenos Davis

A gente costuma dizer que, antes do Carnaval, o ano, na verdade, não começa. Para o mundo das telecomunicações, talvez a gente possa dizer que o ano nem acabou. Promessas não cumpridas, nenhum grande projeto à vista, o adiamento de grandes decisões, 2015 foi um ano morto na área mais dinâmica da indústria e mais demandada na sociedade.

O Brasil não avançou no comércio eletrônico, não fez grandes coisas com relação à educação digital, nenhuma melhoria incrível quanto ao uso da internet na saúde e na Medicina. Muito pelo contrário, muitos orelhões foram desligados, a rede pública de internet via Telebrás não avançou e o projeto de banda larga para todos, para 100% da população, ou seja, fibra na porta de casa de todo brasileiro avança como uma bomba relógio: 2018 chegará e as taxas de fibra nos lares brasileiros vão seguir precárias. Existem fibras óticas em menos de 20% das localidades em municípios brasileiros. Em que pese o número de conexões móveis tenha aumentado, mesmo num cenário de crise econômica, ficou para o segundo tempo a decisão sobre transformar ou não a banda larga num serviço público, com obrigações de continuidade e universalização.

Caso a banda larga fosse transformada em serviço público de telecomunicações, parte do fundo de telecom poderia ser usada na sua expansão, mas essa receita integra há décadas o caixa do tesouro como essencial para o equilíbrio das contas públicas. E a essencialidade da internet para o brasileiro vai ficando para depois, no imperativo da política econômica que não cria oportunidades e acentua desigualdades.

Num discurso um tanto apocalíptico do que será do amanhã nas telecomunicações, podemos dizer que o mais importante neste momento é discutir se a neutralidade da rede vai continuar ou não, ou se eu vou poder transformar a internet num grande balcão de negócios de marketing e venda de produtos, onde eu privilegio a empresa, o site ou o aplicativo que me dá mais dinheiro.

Hoje a internet é uma estrada livre, em que pese o conteúdo já esteja na mão das grandes corporações, como o Google e o Facebook. Mas, sem a neutralidade da rede, o desafio em 2016 será evitar que os Golias engulam de vez os pequenos Davis que garantem o mínimo de pluralidade na rede e, ao invés de internet, vamos chamar esta grande malha de computador de Google Net. E todos nós diremos amém!!!

Este é o Papo de Futuro e eu sou a Beth Veloso. Mande suas críticas e sugestões para papodefuturo@camara.leg.br

***Poderá haver diferenças entre o texto escrito e a coluna realizada ao vivo no programa "Com a Palavra", da Rádio Câmara***

Roteiro – Beth Veloso
Apresentação – Elisabel Ferriche e Lincoln Macário