Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

18/01/2016 10h33

O Facebook como espelho da vaidade (interprograma)

Entre fotos autorais e banais, tem muita gente querendo protagonizar a própria vida, inventando novos capítulos que vão além da imaginação

Olá! A hiperexposição parece ser um dos males do mundo moderno. A gente não conversa mais por voz nem por mensagens. A ordem agora é trocar fotos! Se você quer dizer que já chegou, envia foto! Se quer dizer que tem saudades, envia vídeo com frases bacanas. Se está carente, publica uma selfie. Entre fotos autorais e banais, tem muita gente querendo protagonizar a própria vida, inventando novos capítulos que vão além da imaginação. Ou seja, muitas vezes, é muita fantasia.

Eu parei de usar o Facebook, como remédio para controlar minha dose humana e mundana de inveja. Com o dólar lá em cima, dói ver a torre Eiffel, em Paris, mesmo que só na foto do amigo do Face. A inveja é apenas um dos efeitos colaterais desses tempos de fofoca digital, em que a vida das pessoas é devassada em plena internet e o pior, pela própria pessoa.

Se a inveja sempre foi o mal da humanidade, a vaidade concorre ao troféu da patologia do Século. Um pouco mais de discrição não fará mal a ninguém nessa arena tão irreal quanto virtual das redes sociais.

Esse é o Papo de Futuro e eu sou a Beth Veloso. Envie suas sugestões, críticas e comentários para papodefuturo@camara.leg.br