Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

16/02/2018 11h05

Deputado Alessandro Molon comenta intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro - Bloco 1

Ele e o deputado Júlio Lopes estiveram Com a Palavra para falar sobre o assunto. Ouça a integra das entrevistas em dois blocos

O Com a Palavra entrevistou nesta sexta-feira os deputados Alessandro Molon (Rede) e Júlio Lopes (PP), ambos do Rio de Janeiro, para falarem sobre a decisão do governo federal de decretar intervenção na segurança pública do estado. Ouça a integra das entrevistas em dois blocos.

Para Molon, que é coordenador da Frente Parlamentar pela Prevenção da Violência e Redução de Homicídios, a medida é emergente, inevitável, mas paliativa, porque o problema da violência é mais complexo e requer soluções de longo prazo, como atenção à infância e à juventude. O deputado considera o policiamento de proximidade como alternativa para evitar o crime e discorda sobre a criação de um Ministério de Segurança Pública, como cogita o governo, por entender que a medida não resolve o problema. Como alternativa, Alessandro Molon sugere a implantação de um Plano Nacional de Segurança Pública para o Brasil.

Já o deputado Júlio Lopes considera importante a iniciativa do governo de intervir na segurança do Rio de Janeiro e afirma que, embora seja temporária, vai contribuir para melhorar a sensação de segurança do carioca. Júlio Lopes também discorda da necessidade de se criar um ministério – o que demandaria tempo e estrutura desnecessária – e admite que a intervenção no Rio de Janeiro e a edição de uma medida provisória para dar assistência emergencial aos venezuelanos que migraram para Roraima vão mudar os planos do governo em relação à reforma da Previdência, já que, com a intervenção, a Constituição Federal não pode ser alterada.

Apresentação - Ana Raquel Macedo e Elisabel Ferriche