Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto

Navegação Global

Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Transporte e Trânsito > Novos contratos de ferrovias devem prever direito de passagem de terceiros, sugerem debatedores
16/03/2017 - 16h28

Novos contratos de ferrovias devem prever direito de passagem de terceiros, sugerem debatedores

Carlos Netos/Valec
Transporte - trens - ferrovia Norte-Sul
Debatedores defendem o compartilhamento da malha ferroiária

Entre as sugestões de mudança na MP das Concessões (MP 752/16) está a renovação dos contratos das ferrovias e a concessão de novos ramais para a iniciativa privada com previsão de direito de passagem de terceiros.

A sugestão foi apresentada pelo setor produtivo nesta quinta-feira (16) durante audiência pública na comissão mista que analisa a proposta.

A MP 752/16 estabelece as regras para o governo federal prorrogar ou realizar novas licitações de rodovias, aeroportos e ferrovias. O governo decidiu editar a MP porque algumas concessionárias de projetos leiloados começaram a enfrentar dificuldades financeiras e não conseguiram cumprir dispositivos dos contratos.

Compartilhamento da malha ferroviária
Segundo os debatedores, o texto da MP enviada pelo Executivo não prevê adequadamente as condições de compartilhamento da malha ferroviária. Eles propõem a disponibilização de capacidade mínima de 30% de transporte para outros concessionários e outros operadores ferroviários independentes.

Os serviços de transporte ferroviário também devem seguir as regras de mercado e não manter caráter de exclusividade na avaliação do presidente da Associação Nacional dos Usuários de Transporte de Carga (Anut) e representante da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Luiz Henrique Baldez. “Não podemos ter o conceito de dono da ferrovia. Ninguém é dono de ferrovia, mas dá a impressão que é. Como é que introduzo uma competição? Através de novos operadores. Será que o usuário não tem direito de escolher quem vai transportar o produto dele?”, assinalou.

Debatedores também pediram a inclusão no texto da necessidade de a concessionária estar adimplente com suas obrigações contratuais para ter o direito à prorrogação do contrato.

Concessões recentes
A coordenadora de Economia da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Priscila Santiago, afirmou que o modelo de concessão de aeroportos, rodovias e ferrovias tem sido, em regra, positivo para os usuários.

Dados da 20ª edição da Pesquisa CNT de Rodovias revelam melhoria na avaliação das vias federais entre 2015 e 2016. Enquanto o percentual de ótimo ou bom avançou de um ano para o outro, as classificações como ruim ou péssimo recuaram.

Priscila Santiago disse que a MP é positiva pois traz segurança jurídica para o setor, mas não soluções para os investimentos de rodovias federais, cujos contratos foram assinados a partir de 2013.

Ela pediu a aprovação de uma emenda que possibilite uma readequação dos contratos das rodovias de terceira etapa. “Assim, aquelas que estiverem dispostas e estiverem comprometidas com o cumprimento dos contratos podem continuar fazendo esse trabalho. Do contrário, volta-se tudo, param os investimentos”, disse.

Íntegra da proposta:

Da Redação – RCA
Com informações da Agência Senado

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Eduardo Vale | 17/03/2017 - 10h15
Incrível! O direito de passagem deveria ter sido definido nos anos 90. Em 2017, os atuais debatedores permitem-se sugerir.....
  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal