Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

26/01/2017 - 17h29

Transportes isenta tributos sobre energia usada por metrô e VLT

Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Sessão especial para discussão e votação do parecer do dep. Jovair Arantes (PTB-GO), aprovado em comissão especial, que recomenda a abertura do processo de impeachment da presidente da República - Dep. Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG)
Abi-Ackel recomendou a adoção do texto anteriormente aprovado pela Comissão de Transportes

A Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados aprovou proposta que isenta metrôs, trens metropolitanos e veículos leves sobre trilhos (VLTs) das tarifas de PIS/Pasep e Cofins incidente sobre a energia elétrica consumida.

O relator, deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), recomendou a aprovação do Projeto de Lei 1517/15 na versão elaborada pela Comissão de Transportes.

O texto original, do deputado Deley (PTB-RJ), previa apenas a isenção das contribuições, mas o relator condiciona esse benefício à realização de investimentos no setor. “Do ponto de vista energético, a iniciativa aumenta a eficiência energética da prestação do serviço público de transporte urbano e metropolitano”, ressalta o relator.

O substitutivo estipula um valor mínimo que deverá ser investido em pesquisas de tecnologia para melhorar o consumo de energia dos transportes públicos.

De acordo com o texto aprovado, deverão ser destinados a esses investimentos 5% do valor da desoneração tributária obtida no ano anterior. Esse percentual aumenta gradualmente até chegar a 20% da desoneração, a partir de 2020.

Tramitação
A proposta, que tramita em caráter conclusivo, ainda será analisada pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Emanuelle Brasil
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Erasmo Neto | 30/01/2017 - 08h49
Transporte sobre trilhos é tecnologia da época do Brasil Império,portanto ultrapassada.Isso sem contar que,com a interrupção por vários motivos,os usuários ficam sem condições, até dormindo ao relento.Contra o projeto.Sem falar dos escândalos de desvios de verbas da rés publica do sistema ferroviário de São Paulo que indica também, a corrupção internacional.Quem não conhece a história em profundidade repete erros.
Aldo Borges Proença | 26/01/2017 - 22h30
O valor das passagens tem que serem abaixadas.