Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto

Navegação Global

Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Transporte e Trânsito > Medida provisória agrava penalidade para interrupção deliberada de vias públicas
25/11/2015 - 17h48

Medida provisória agrava penalidade para interrupção deliberada de vias públicas

Pela nova regra, multa para os organizadores da interrupção da via será de mais de R$ 19 mil, o que corresponde a cem vezes o valor da infração gravíssima

 A Câmara dos Deputados já analisa a Medida Provisória (MP) 699/15, que modifica o Código de Trânsito Brasileiro (CTB - Lei 9.503/97) para prever como infração gravíssima a conduta de usar veículo para interromper, restringir ou perturbar deliberadamente a circulação em vias públicas.

De acordo com a Medida Provisória, o infrator será punido com multa de R$ 5.746,20 (30 vezes o valor de uma infração gravíssima), suspensão do direito de dirigir por 12 meses e apreensão do veículo. Em caso de reincidência, a multa será aplicada em dobro.

Como medida administrativa, o texto prevê a apreensão da carteira de habilitação e a proibição de o infrator receber empréstimos para aquisição de veículos por 10 anos.

A Medida Provisória pune ainda os organizadores da interrupção da via com multa de R$ 19.154,00 (100 vezes o valor de uma infração gravíssima).

Na exposição de motivos enviada ao Congresso, o Palácio do Planalto informa que o objetivo é “coibir a prática intencional de ações que ocasionem prejuízos” a estados, municípios ou às relações comerciais que envolvam o transporte de bens pelas vias terrestres brasileiras.

Guincho
A MP também modifica o CTB para permitir que os serviços de recolhimento, depósito e guarda de veículo sejam executados por particular contratado ou ente público. Na prática, autoriza o governo a licitar depósitos e serviços de recolhimento dos veículos por meio de pregão.

Os custos da contratação de serviços particulares serão pagos pelo proprietário do veículo diretamente ao contratado. A medida, no entanto, não impede que os estados estabeleçam a cobrança por meio de taxa instituída em lei.

Se o proprietário do veículo comprovar, administrativamente ou judicialmente, ter havido recolhimento indevido ou abuso no período de retenção, o ente público fica obrigado a devolver as quantias pagas.

Por fim, a MP permite a integração dos órgãos e entidades do Sistema Nacional de Trânsito com o objetivo de melhorar a fiscalização de trânsito, inclusive por meio do compartilhamento da receita arrecadada com a cobrança das multas.

Tramitação
A MP 699 será analisada por uma comissão mista de deputados e senadores. Se aprovada, seguirá para votação nos plenários da Câmara dos Deputados e do Senado. A MP tranca a pauta da Casa onde estiver tramitando a partir do dia 5 de fevereiro de 2016.

Saiba mais sobre a tramitação de medidas provisórias

Íntegra da proposta:

Reportagem – Murilo Souza
Edição – Adriana Resende

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

JOSE ALVES DE A FILHO | 27/11/2015 - 00h35
Pena que a MP é capenga. Se houvesse real preocupação com o bloqueio das vias teriam incluído as paralisações determinadas pelos "movimentos sociais". Leia-se MST e congêneres.
Eduardo | 26/11/2015 - 12h22
Tal medida deveria também ser estendida a quem bloqueia com passeatas sem notificação às autoridades, quem coloca fogo em pneus, etc.
  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal