Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto

Navegação Global

Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Trabalho e Previdência > Participantes de seminário elogiam vinculação do BPC ao salário mínimo
19/04/2017 - 22h57 Atualizado em 24/04/2017 - 15h32

Participantes de seminário elogiam vinculação do BPC ao salário mínimo

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Seminário sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 287/16), que trata da Reforma da Previdência, mais especificamente sobre a desvinculação do valor do salário mínimo ao valor do Benefício de Prestação Continuada-BPC e assuntos relacionados à deficiência
Debatedores defenderam mais mudanças no texto da reforma

Participantes de seminário da Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência elogiaram mudanças no texto da reforma da Previdência (PEC 287/16) apresentadas nesta quarta-feira (19).

Segundo eles, porém, o substitutivo ainda precisa melhorar para proteger essa parcela da população.

De acordo com a deputada Rosinha da Adefal (PTdoB-AL), a reforma afeta as pessoas com deficiência em três pontos: no BPC; na aposentadoria especial; e na pensão por morte.

O relator da proposta, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), manteve em seu parecer a vinculação do Benefício de Prestação Continuada (BPC) ao valor do salário mínimo. No caso das pensões, o menor benefício deve continuar igual ao salário mínimo.

Pensões
Para Izabel Maior, professora de medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, a negociação corrigiu algumas distorções, mas o movimento social ainda não está satisfeito. Na Comissão Especial da Reforma da Previdência, ela havia defendido uma diferenciação para as pessoas com deficiência, em especial aqueles com deficiência mental severa.

Segundo a professora, que foi secretária nacional de Promoção dos Direitos das Pessoas com Deficiência por 10 anos, o foco deve ser agora a mudança na pensão. “Falta ajudarmos os mais idosos muito pobres e vermos a pensão daqueles que não terão renda própria por deficiência intelectual”, disse.

O atual secretário dos Direitos das Pessoas com Deficiência, Marco Antônio Pellegrini, defendeu a reforma da Previdência para dar sustentabilidade aos benefícios atuais. Ele reconheceu, porém, que a proposta ainda pode ser alterada. “As provocações colocadas aqui foram muito bem colocadas e serão encaminhadas. Esperamos um resultado positivo.”

Mudanças possíveis
O relator da reforma, Arthur Maia, disse que fez as mudanças possíveis. Segundo ele, a inclusão da avaliação biopsicossocial para concessão de benefício a pessoas com deficiência na Constituição, como prevê a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência das Nações Unidas, foi um grande avanço. “Essa avaliação é mais profunda e detalhada, mais precisa”, avaliou.

A deputada Rosinha da Adefal disse acreditar que Maia ainda faça mais mudanças no texto. Segundo ela, que solicitou o debate, o objetivo agora é sensibilizar o relator de que os benefícios pagos às pessoas com deficiência não têm impacto nas contas previdenciárias. “Vamos mostrar dados estatísticos de que o prejuízo da Previdência não se refere às pessoas com deficiência".

Reportagem - Tiago Miranda
Edição - Rosalva Nunes

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal