Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

06/12/2016 - 13h44 Atualizado em 06/12/2016 - 20h05

Proposta de reforma da Previdência enviada à Câmara repercute entre deputados

Parlamentares da base governista acreditam que a reforma é necessária devido ao déficit previdenciário; já os contrários à proposta afirmam que ela retira direitos dos trabalhadores

A proposta de reforma da Previdência do governo Michel Temer (PEC 287/16), que chegou à Câmara nesta terça-feira (6), repercutiu entre os deputados. Enquanto integrantes da base de apoio ao governo dizem acreditar que a reforma é necessária devido ao déficit previdenciário, parlamentares contrários ao texto afirmam que ela retira direitos dos trabalhadores.

Para o líder do DEM, deputado Pauderney Avelino (AM), a população deve ser conscientizada da necessidade da reforma, para garantir o recebimento de aposentadoria no futuro.

“Uma coisa que dá mais legitimidade à reforma é que todos estão incluídos na proposta, com exceção dos militares, que serão tratados em outra matéria em razão de a Constituição dar um tratamento diferenciado a eles”, ressaltou. “Mas políticos, servidores públicos, todos deverão estar no Regime Geral da Previdência: isso faz com que esta proposta de reforma da Previdência seja mais equânime”, completou.

O deputado Alfredo Kaefer (PSL-PR) disse que o governo acertou em mandar a reforma neste momento para o Congresso, mas ressaltou que os parlamentares vão analisar que partes da proposta irão aprovar. Ele apoia a proposta de aumento da idade mínima de aposentadoria para 65 anos para homens e mulheres e disse que a reforma exigirá sacrifício de todos.

“Eventualmente aqueles que não estão aposentados vão ter que contribuir um pouco mais; aqueles que estão na iminência de se aposentar vão ter que postergar um pouco a aposentadoria; todos nós vamos perder, mas o ganho disso é que no futuro as pessoas vão ter o direito à aposentadoria”, disse.

Direitos retirados
Na avaliação do deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), o governo terá dificuldade em aprovar a reforma da Previdência na Câmara, já que a proposta será, na sua visão, fortemente rejeitada pela população brasileira. “Está proposta é um desastre. Exigir que homens e mulheres se aposentem com a mesma idade é rejeitar, negar, a dupla jornada que as mulheres vivem no nosso País”, opinou.

Para ele, é um absurdo exigir aposentadoria com 65 anos, em um País em que muitas pessoas começam a trabalhar com baixa idade. “A partir de 15 anos tem muita gente trabalhando no nosso País, e com trabalho insalubre, difícil, duro muitas vezes. Outro absurdo é exigir pelo menos 49 anos de contribuição para garantir a aposentadoria integral”, acrescentou.

O líder do Psol, deputado Ivan Valente (SP), criticou a proposta de reforma da Previdência. “É uma perversidade, um ataque aos direitos de brasileiros por uma economia de palito”, disse.

Segundo ele, a proposta vai prejudicar principalmente os mais pobres. “O trabalhador rural, que ganha um salário mínimo, terá de se aposentar aos 65 anos, ou seja, trabalhar de sol a sol na agricultura para ganhar um salário mínimo. Não terá saúde para isso”, disse.

Ele criticou ainda o aumento da idade mínima para aposentadoria de mulheres. A idade mínima sobe de 55 para 65 anos. “As mulheres brasileiras, que já têm dupla e tripla jornada, estão sendo avisadas que não trabalharão menos de dez anos a mais do que já trabalham”, criticou.

Dívida da Previdência
O deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), por sua vez, acredita que os argumentos que embasam a reforma são falsos: “É mentira essa história do governo de que a Seguridade Social é deficitária. O ano passado, com toda a crise, com toda a dificuldade, a Seguridade Social teve um superávit de R$ 22 bilhões, e isto porque foi um ano difícil, de crise, de muito desemprego, mas historicamente a média é de R$ 55 a 60 bilhões de saldo da Seguridade Social.”

O deputado Julio Lopes (PP-RJ) apoia a proposta de reforma, mas acredita que ela não será suficiente para resolver o problema da Previdência. “Acho que o problema da Previdência transcende e muito um debate só na Câmara federal, porque os estados e municípios estão com as suas previdências quebradas”, salientou.

A reforma da Previdência será encaminhada à Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara. Se for aprovada a admissibilidade, será criada comissão especial para analisar a matéria.



Comentários

Ailton | 24/03/2017 - 09h58
Nenhum ser humano aguenta trabalhar 49 ANOS seguidos, essa reforma é uma grande injustica com todos os brasileiros.
Ana Lucia | 06/03/2017 - 21h27
Esta reforma é um verdadeiro desastre para os que fazem a Educação do País, profissão que forma todos os profissionais, professores irão as ruas ,pois não poderão aceitar e se for aprovada será um país sem professor num futuro bem próximo.
Januí Rodrigues Trindade | 18/02/2017 - 10h03
ADOTAR REGRA DE TRANSIÇÃO BASEADA NA IDADE É INJUSTA,e não irá beneficiar a todos, porque muitos que não tem o tempo necessário de contribuição,mesmo atingindo a idade limite não conseguirá se aposentar. A REGRA JUSTA É CONSIDERAR A QUANTIDADE DE CONTRIBUIÇÃO DE 50% DAS 49 CONTRIBUIÇÕES PROPOSTAS. ESSES NÃO ENYRARIAM NA NOVA REGRA DE 65 ANOS.