Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

06/04/2010 - 21h00

Entidades pedem piso salarial de R$ 4.650 para fisioterapeutas

Piso salarial atual varia entre R$ 650 e R$ 1.560. A oferta de profissionais no mercado é muito alta: o Brasil conta com 140 mil fisioterapeutas, ante 350 mil em todo o mundo.

O presidente do Sindicato de Fisioterapia e Terapia Ocupacional do Estado de São Paulo (Sinfito), Edson Stefani, defendeu hoje o aumento do piso salarial da categoria. Ele participou de audiência pública da Comissão de Seguridade Social e Família para discutir o Projeto de Lei 5979/09, que fixa o piso salarial de fisioterapeuta e terapeuta ocupacional em R$ 4.650. Segundo Stefani, o piso praticado hoje é baixo, variando entre R$ 650, no Rio de Janeiro, e R$ 1.560, em São Paulo.

Esse piso salarial está associado a um número muito elevado de profissionais brasileiros em comparação à média internacional. Segundo o presidente da Associação de Fisioterapeutas do Brasil, Reginaldo Antolin Bonatti, são 140 mil fisioterapeutas no País, ante 350 mil em todo o mundo. Já os terapeutas ocupacionais são 15 mil Brasil, disse o representante do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito), Eduardo Olívio Ravagni Nicolini.

O relator do projeto, deputado Dr. Paulo César (PR-RJ), disse que está estudando a situação financeira dos diferentes municípios brasileiros – as carreiras integram o sistema público de saúde –, mas não pretende alterar o valor proposto pelo projeto.

Custos da formação
Ao defender a elevação do piso salarial, os participantes da audiência pública afirmaram que 90% dos fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais são formados em universidades privadas, o que exigiria um investimento muito alto. Segundo Stefani, apenas com mensalidades os gastos chegam a R$ 72 mil na graduação.

O deputado Mauro Nazif (PSB-RO) estima que, até concluir uma especialização, esses profissionais gastem quase R$ 130 mil. Assim, com o piso atual, seriam necessários cerca de oito anos para recuperar esses gastos. Com o valor proposto, esse prazo cairia para cerca de 2,5 anos.

Ao justificar o pleito por melhores salários, Reginaldo Bonatti afirmou que a fisioterapia brasileira é considerada uma das melhores do mundo. "O Brasil teve o maior crescimento no número de publicações científicas. São publicações de impacto, que têm qualidade e servem de referência para trabalhos internacionais", disse. Para Nazif, o novo piso permitirá ao profissional atualizar-se ainda mais, além de incentivar aqueles que estão se formando.

Íntegra da proposta:

Reportagem - Maria Neves
Edição - Ralph Machado

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'