Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

07/12/2017 - 12h58

Câmara aprova projeto que remete à PF a investigação de crime virtual contra mulheres

Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Grande Expediente - Dep. Yeda Crusius (PSDB-RS)
Yeda Crusius apresentou parecer pela aprovação da proposta

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quinta-feira (7), o Projeto de Lei 4614/16, da deputada Luizianne Lins (PT-CE), que repassa à Polícia Federal a investigação de crimes praticados pela internet que propaguem conteúdo misógino, ou seja, que expressem ódio ou aversão às mulheres. O texto segue para o Senado Federal.

A votação, feita por acordo entre as lideranças, marca a campanha “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher”, que tem como objetivo denunciar as várias formas de violência contra mulheres no mundo.

Relatora da proposta, a deputada Yeda Crusius (PSDB-RS), destacou que a rede mundial de computadores tem contribuído para a propagação de conteúdos de ódio. “Os crimes comedidos pela internet, particularmente aqueles que se caracterizam como ofensivos às mulheres podem ser melhor combatidos pela Polícia Federal”, afirmou.

Para a deputada Erika Kokay (PT-DF), o projeto preenche uma lacuna. “Possibilita que a Polícia Federal seja agregada a essas investigações de crimes que atravessam fronteiras estaduais”, explicou.

Já a deputada Soraya Santos (PMDB-RJ) ressaltou que a proposta não diminui atribuições de outras autoridades policiais, como as políciais civis. “Esse projeto jamais excluiria a importância do papel de todas as polícias que atuam no combate a crimes contra mulheres, apenas atribui responsabilidade para a Polícia Federal nos casos interestaduais. Apenas amplia o trabalho que já é feito”, defendeu.

Íntegra da proposta:

Reportagem - Carol Siqueira
Edição - Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

ISRAEL ALBERT MALLET | 04/03/2018 - 13h35
Vergonhoso! Agora qualquer crítica ao comportamento feminino poderá ser classificado por misoginia. Engraçado que o contrário é liberado, pode tudo contra o homem por aqui. Ao menos faça valer para os dois sexos.
Vanessa Fortino | 01/03/2018 - 15h46
Pelos comentários contidos aqui podemos observar a necessidade e importância de projetos como este em defesa à mulher. Enquanto os números de assédios, abusos de todos os tipos, homicídios, tentativas de homicídios, forem atribuídos em gigantesca escala cometidos a partir de um homem contra uma mulher, são necessárias sim medidas como essas voltadas exclusivamente para a mulher.
Christiane | 28/02/2018 - 22h15
Muito homem preocupado em cometer crimes