Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

27/01/2016 - 17h39

Segurança Pública aprova identificação por documento com foto e impressão digital

Objetivo da proposta, que ainda vai passar pela CCJ e pelo Plenário, é evitar que inocentes sejam presos e respondam por delitos no lugar de criminosos

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados aprovou, com emenda, proposta que altera a Lei de Identificação Criminal (12.037/09) para tornar obrigatória a apresentação de documento com impressão digital e foto para fins de identificação civil.

O texto aprovado é o Projeto de Lei 8239/14, do deputado João Campos (PSDB-GO). De maneira geral, segundo Campos, o objetivo é assegurar a real identificação dos cidadãos, evitando que inocentes sejam presos e respondam por delitos no lugar de criminosos.

Dep. Subtenente Gonzaga
Relator na Comissão de Segurança, Subtenente Gonzaga fez apenas ajustes de redação ao texto

Relator na comissão, o deputado Subtenente Gonzaga (PDT-MG) propôs emendas para corrigir imprecisões do projeto.

Entre as mudanças de redação está a substituição do termo “pericial” por “oficial”; e do termo “Unidade Oficial de Perícia Papiloscópica” por “Unidade Oficial de Identificação”.

O PL 8239/14 também determina que os dados obtidos a partir de impressões digitais e de fotografias sejam armazenados em banco de dados de biometria.

Além disso, as informações obtidas a partir de coincidência de impressões digitais e fotografias deverão fazer parte de laudo oficial firmado por Especialista em Papiloscopia devidamente habilitado.

Tramitação
O projeto será ainda analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Em seguida, será encaminhado para votação em Plenário.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Murilo Souza
Edição – Adriana Resende

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

daniEL | 28/01/2016 - 10h11
Parece interessante! Não são poucos os casos em q inocentes são presos por falhas na identificação não apenas no momento da prisão, mas quando da identificação do detido em flagrante q apresenta docts d outros e assim são identificados sem cuidados adicionais por parte do Estado. Espero q sejam medidas positivas, efetivas, q aumentem a segurança das pessoas q - geralmente ao contrário dos culpados - não tem condições d contratar bons advogados [alguns q comprovam inocência até de quem realmente tem culpa, né?]. A obrigação do cadastro biométrico dos criminosos não existe ainda? Inacreditável!