Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto
Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Segurança > Segurança aprova porte de armas para fiscais ambientais concursados
07/04/2014 - 22h00

Segurança aprova porte de armas para fiscais ambientais concursados

Gustavo Lima
Edio Lopes
Edio Lopes estendeu o porte de arma a todos os integrantes da carreira de especialista em meio ambiente.

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado aprovou, na quarta-feira (2), proposta que acrescenta dispositivo ao Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/03) para assegurar o direito a porte de armas a fiscais ambientais federais, estaduais, distritais e municipais contratados por concurso público.

O texto também permite o porte de armas a praças das Forças Armadas e, quando efetivamente em serviço, a oficiais temporários, aspirantes a oficiais e guardas-marinha.

O texto aprovado é um substitutivo do relator, deputado Edio Lopes (PMDB-RR), para os projetos de lei 5720/13, do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), e 6286/13, do deputado Marco Maia (PT-SP). Em seu parecer, Lopes recomenda a aprovação da proposta de Maia, com emenda, e a rejeição do texto de Bolsonaro.

O relator concordou com a intenção do PL 6286/13, que autoriza o porte de arma aos integrantes do Sistema Nacional do Meio Ambiente (Sisnama). “Os servidores designados para as atividades de fiscalização ambiental, por trabalharem rotineiramente em ações de prevenção e combate a ilícitos ambientais, estão constantemente sujeitos a situações de enfrentamento e riscos à integridade física. Assim, o porte e o uso de armas de fogo é imprescindível para a salvaguarda dos servidores”, argumentou Lopes.

Ele acrescentou, no entanto, que decidiu propor um novo texto para estender o direito ao porte de arma a todos os integrantes da carreira de especialista em meio ambiente, a fim de alcançar um grupo maior de profissionais.

A Carreira de Especialista em Meio Ambiente é composta pelos cargos de gestor ambiental, gestor administrativo, analista ambiental, analista administrativo, técnico ambiental, técnico administrativo e auxiliar administrativo, abrangendo os cargos de pessoal do Ministério do Meio Ambiente e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Praças das Forças Armadas
O relator também acolheu emenda apresentada ao substitutivo que assegura o porte de arma aos praças [patentes abaixo da carreira de oficial] das Forças Armadas com estabilidade assegurada, em todo o território nacional, assim como, quando efetivamente em serviço, aos oficiais temporários, aspirantes a oficiais e guardas-marinha.

Por fim, Lopes recomendou a rejeição do PL 5720/13, que vai em sentido contrário: revoga dispositivo da Lei de Fauna (5.197/67) para proibir a concessão de porte de arma aos agentes do Ibama.

Lopes afirmou que diversas leis revogaram ou foram omissas ao tratar do porte de armas no exercício de atividades de fiscalização ambiental. “Em uma interpretação mais literal, somente os servidores designados para as atividades de fiscalização ambiental que atuam no combate à caça de animais estariam autorizados ao porte de armas.”, argumentou Lopes.

Ao propor a rejeição do PL 5720/13, no entanto, Lopes acrescentou que é impossível dissociar a fiscalização da caça das demais atividades de fiscalização ambiental e que não assegurar o porte de arma aos fiscais ambientais poderia comprometer o zelo pela vida desses servidores.

Tramitação
A proposta tem analise conclusiva e segue para a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Murilo Souza
Edição – Regina Céli Assumpção

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Gustavo | 24/07/2014 - 08h58
Prezados, andem com essa Lei. Estamos no aguardo. Fiscalização Ambiental em nosso país, é humilhada quando não está com serviço de Policiamento e muitas vezes, posta para "correr". RESPEITO. Parabéns aos Deputados pela iniciativa. Que se torne Lei, antes das eleições!!!
Paulo Renato | 17/07/2014 - 21h09
Como pode o Militar estar na linha de frente de uma operação de pacificação dentro de uma favela do rio de janeiro, bater de frente com a bandidagem e na hora de ir pra casa ficar a Mercê dos Criminosos?
Antônio | 07/07/2014 - 09h33
Parece que realmente será corrigido a injustiça a qual as praças da F.A são submetida.Gostaria de parabenizar ao nobre deputado e até mesmo pedir uma divulgação maior desta P.L, já que vejo um grande desconhecimento da mesma por parte que serão beneficiadas, lembro que as eleições se aproximam e devemos priorizarmos aqueles que lutam pelas causas justas, como é o caso. Se possível gostaria que algum colega, com conhecimento maior, pudesse me ajudar com uma dúvida: Quando entra em vigor??????
  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619