Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto
Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Segurança > Projeto dá porte de arma a vigilantes de instituições de ensino federais
  • Compartilhar no Google+
01/08/2013 - 13h05

Projeto dá porte de arma a vigilantes de instituições de ensino federais

Arquivo/Beto Oliveira
Andreia Zito
Andréia Zito quer restituir o direito que os vigilantes perderam.

A Câmara analisa o Projeto de Lei 5390/13, da deputada Andreia Zito (PSDB-RJ), que garante o porte de arma, em todo o território nacional, para os vigilantes de instituições de ensino federais. A proposta altera o Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/03) e limita o porte de arma aos servidores públicos ocupantes dos cargos de vigilante do plano de carreira dos cargos técnico-administrativos em educação. Vigilantes terceirizados não terão o mesmo direito.

Andréia Zito explica que, antes do Estatuto, os vigilantes tinham direito ao porte de arma por autorização legal. Ela argumenta que, em universidades federais, os vigilantes são os únicos representantes da segurança do Estado dentro do Campus e, por isso, devem ter estabelecido o direito de portar arma. “Os vigilantes das instituições federais de ensino exercem funções típicas de polícia e correm os mesmos riscos e estão expostos aos mesmos desgastes a que estão submetidos os integrantes das carreiras policiais”, justifica.

Tramitação
A proposta tramita em caráter conclusivo e ainda será analisada pelas comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem - Carol Siqueira
Edição - Patricia Roedel

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Marcos Vinicius | 19/10/2014 - 21h03
Sou vigilante a 3 anos e passei por situações terríveis. Uma não qual eu e mais 2 vigilantes fomos rendidos por 10 criminosos em uma empresa na grande sp. ali não trabalhávamos armados por preferência do cliente não tínhamos botão de pânico nem sistema de cftv ou seja nada. nesse episódio quase fui morto devido eu ter visto o rosto de um indivíduo em particular e escutado uma conversa na qual disseram que haviam policiais envolvidos. quiseram me matar depois me ofereceram dinheiro o qual recusei. após isso fui seguido 4 vezes nas quis consegui despista-los. fora essas houveram outras 3
marco aurelio marques | 18/10/2014 - 08h47
Abaixo-assinado PORTE DE ARMA FORA DO HORARIO DE SERVIÇO PARA VIGILANTES QUE TRABALHAM EM EMPRESAS DE VIGILANCIA PRIVADA, Para: SENADO FEDERAL Porte de Arma de fogo para auto-defesa da vida dos Vigilantes, agentes de segurança privada,que atuam em empresas de vigilancia privada, devidamente regularizadas junto a Policia Federal), que correm risco de vida e até hoje não tem direito de se defenderem. O benefício a portarem uma arma de fogo de uso particular, fora do horario de serviço para proverem seu direito de defesa da sua integridade física e da vida, inclusive de seus familiares, é sagrado
OSNIR ANÇAY | 21/09/2014 - 13h05
ESTOU A 15 ANOS COMO VIGILANTE,TRABALHEI ARMADO E DESARMADO EM ALGUNS POSTOS DE SERVIÇO,NO NOSSO TRABALHO TEMOS QUE PROTEGER O PATRIMÔNIO E PESSOAS, E CORREMOS RISCO QUANDO SAÍMOS DO SERVIÇO ATE CHEGARMOS EM CASA ENTÃO DEVEMOS TER O PORTE DE ARMA FORA DE SERVIÇO. ACREDITO SER JUSTO A EXTENSÃO DO PORTE DE ARMA FORA DO SERVIÇO.
  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619