Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

11/08/2014 - 10h43

Proposta cria política para prevenção do diabetes

Arquivo/Gustavo Lima
Raimundo Gomes de Matos
Matos: diabetes mata mais do que o trânsito e que a Aids.

Proposta em tramitação na Câmara dos Deputados obriga o Sistema Único de Saúde (SUS) a adotar uma política nacional para prevenir e tratar o diabetes, incluindo os problemas de saúde relacionados à doença. A obrigatoriedade está prevista no Projeto de Lei 6754/13, do deputado Raimundo Gomes de Matos (PSDB-CE).

O texto define como diretrizes da política a universalidade, a equidade e a descentralização das ações, além da ênfase na prevenção. Prevê ainda o exame obrigatório de glicemia no protocolo de atendimento médico de urgência e emergência e o direito da pessoa com diabetes às medicações e aos materiais de autocontrole.

Outra diretriz prevista na política determina o apoio ao desenvolvimento científico e tecnológico voltado para o enfrentamento e o controle do diabetes e problemas relacionados.

Segundo Matos, estatísticas oficiais de 2000 a 2010 mostram que o diabetes foi responsável por mais de 470 mil mortes em todo o Brasil. “A política nacional de prevenção do diabetes pretende, obviamente, ampliar as atividades de prevenção e também aumentar o conhecimento sobre a enfermidade, sobretudo porque é possível controlá-la com medicamentos e alimentação e vida com hábitos saudáveis”, explicou.

Só em 2010, 54 mil brasileiros morreram em decorrência do diabetes, de acordo com o Ministério da Saúde. Isso significa que a doença matou quatro vezes mais do que a Aids (12 mil óbitos) e mais do que o trânsito (42 mil).

Tramitação
O projeto, que tramita em caráter conclusivo, será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Murilo Souza
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Joran Tenório | 12/08/2014 - 09h36
Concordo contigo, Fátima Regina. Há coisas nesse país que são burocratizadas demais, mas ainda pior que isso é politizar demais coisas óbvias. O diabético não sofre apenas com as restrições alimentares, mas também físicas, emocionais e psicológicas além de todas as possíveis consequências: visão (óculos ou lentes), pele (cuidados específicos), e etc. E bem assim o contínuo acompanhamento médico e glicêmico... Coerente a tua queixa!
fatima regina | 11/08/2014 - 11h57
sou diabetica. sugiro ser incluido o diabetes como doença grave, para isenção de imposto de renda sobre rendimentos de aposenttadoria. a relação de doenças ja existe, incluir o dibetes.