Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

05/12/2017 - 19h55

Comissão externa sobre desaparecidos nas Bahamas vai propor observatório permanente para acompanhar o caso

Grupo de 19 brasileiros, dominicanos e cubanos estão sumidos desde novembro do ano passado. Ministério das Relações Exteriores informa que encerrou a busca

Antonio Augusto / Câmara dos Deputados
Audiência Pública e Reunião Ordinária. Dep. Reginaldo Lopes (PT-MG)
Reginaldo Lopes, coordenador da comissão externa, cobrou que a Polícia Federal encontre os brasileiros responsáveis pelo embarque dos emigrantes 

A Comissão externa criada para investigar o desaparecimento de brasileiros nas Bahamas vai propor a criação de um observatório permanente na Câmara para servir de contato com emigrantes e suas famílias e informar sobre os riscos das travessias ilegais.

Segundo o deputado Reginaldo Lopes (PT-MG), coordenador do grupo, será apresentado ainda projeto de lei propondo o 6 de novembro como dia nacional de luta contra o tráfico de emigrantes. A comissão externa da Câmara ainda se reúne na próxima semana para aprovar o relatório final.

Em audiência pública realizada nesta terça-feira (5) pela comissão, o Ministério das Relações Exteriores informou ter encerrado a busca pelos brasileiros que desapareceram nas Bahamas em novembro do ano passado. Um grupo de 19 emigrantes - entre brasileiros, dominicanos e cubanos - desapareceu depois de uma tentativa de travessia marítima ilegal das Bahamas para os Estados Unidos. Um ano depois, o caso continua sem resposta definitiva.

Naufrágio
Reginaldo Lopes disse que o encerramento das buscas pelo Itamaraty é apenas uma etapa que se encerra já que a Polícia Federal e o Serviço de Imigração e Controle de Aduanas dos Estados Unidos da América (U.S. Immigration and Customs Enforcement - ICE) continuam acompanhando o caso. A comissão externa trabalha com a hipótese de naufrágio durante a travessia dos brasileiros e aguarda a confirmação dos órgãos oficiais.

“Para se ter provas e comprovar o naufrágio, é necessário na nossa opinião que o responsável por ter embarcado os brasileiros, senhor Ernani Gonçalves, seja encontrado e seja repatriado, interrogado ou preso para dizer se de fato os brasileiros embarcaram ou não. E também outro brasileiro em Miami chamado Jairo Bicalho responsável por receber esses brasileiros na travessia para os Estados Unidos", disse o deputado.

Na audiência pública, a diretora do Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior, Maria Luiza da Silva, confirmou que a conclusão das investigações depende de órgãos estrangeiros.

Coiotes
O delegado da Polícia Federal responsável pela operação, Raphael Baggio de Luca, também afirmou na audiência que o departamento da corporação em Rondônia continua com as investigações em busca de provas ligadas aos coiotes que atuam no Brasil, levando emigrantes ilegais para os Estados Unidos. A PF está focada nos crimes correlatos ao caso do desaparecimento, como estelionato e organização criminosa.

Entre os desaparecidos estão emigrantes dos estados de Minas Gerais, Rondônia, Pará e Tocantins. Vários parentes de desparecidos participaram da audiência, inclusive a mãe de um jovem de Goiânia, que está desaparecido desde agosto deste ano, depois de integrar outro grupo que tentava a travessia ilegal pelas Bahamas.

Idalira Alvez Souza de Jesus contou que seu filho, Maikon Eder Alves de Jesus, de 23 anos, fez o último contato com a família em 3 de agosto, quando afirmou que ele e mais seis emigrantes embarcariam em breve para Miami. Depois de ter seu pedido de visto negado por duas vezes, o jovem contratou um coiote de Minas Gerais com o objetivo de ingressar nos Estados Unidos para trabalhar.

A polícia federal fez um apelo durante a audiência para que as pessoas não ingressem nesse tipo de travessia, que apresenta muitos riscos.

Reportagem - Geórgia Moraes, com informações da Agência Brasil
Edição - Roberto Seabra

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'