Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto
Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Relações Exteriores > Amorim: consolidação do Parlasul é um dos êxitos do Mercosul
16/12/2010 - 20h15

Amorim: consolidação do Parlasul é um dos êxitos do Mercosul

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, incluiu os esforços de consolidação do Parlamento do Mercosul Bloco econômico formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, com o objetivo de criar um mercado comum com livre circulação de bens e serviços, adotar uma política externa comum e harmonizar legislações nacionais, tendo em vista uma maior integração. A adesão da Venezuela ao Mercosul já foi aprovada por Brasil, Argentina e Uruguai mas ainda precisa ser aprovada pelo Paraguai. Chile, Bolívia, Peru, Colômbia e Equador são países associados, ou seja, podem participar como convidados de reuniões do bloco.(Parlasul) entre os principais êxitos da integração regional ao longo dos últimos seis meses, durante os quais o Brasil exerceu a presidência pro tempore do Mercosul.

Durante a 40ª reunião de cúpula do bloco, realizada nesta quinta-feira em Foz do Iguaçu (PR), Amorim recordou a decisão tomada em outubro pelo Conselho do Mercado Comum (CMC) de adotar a proporcionalidade atenuada para a composição do parlamento a partir de 2011.

Bancadas ampliadas
Segundo o critério adotado, já no ano que vem as bancadas da Argentina e do Brasil serão ampliadas para 26 e 37 parlamentares, respectivamente. As do Paraguai e do Uruguai permanecerão com 18 cada uma. Durante o período de transição, até a realização de eleições diretas, os integrantes das bancadas deverão ser escolhidos, segundo decisão do parlamento, entre "legisladores nacionais com mandatos vigentes outorgados pelo voto popular". Em 2011 serão realizadas eleições na Argentina, quando serão escolhidos 43 parlamentares. No Brasil, as eleições estão previstas para 2012.

"Isto é algo muito importante porque os povos do Mercosul, no nosso caso os brasileiros, poderão votar naquele candidato que aparecer na televisão para dizer como o Mercosul pode ajudar o seu estado, como pode ajudar na produção que interessa à sua região e o que ele vai fazer pelos acordos de residência", disse Amorim. Ele acrescentou que não será candidato a parlamentar do bloco.

Da Redação/ RCA
Com informações da Agência Senado

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619