24/01/2019 - 16h10 Atualizado em 24/01/2019 - 21h07

Reeleito para o terceiro mandato, Jean Wyllys anuncia desistência da vaga

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, divulgou nota na qual lamenta a decisão

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre a decisão judicial recente que determinou a esterilização compulsória de uma mulher residente em Mococa – SP. Dep. Jean Wyllys (PSOL - RJ)
Deputado Jean Wyllys, reeleito para o terceiro mandato, disse que sua vida está ameaçada

O deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) anunciou nesta quinta-feira (24), por meio das redes sociais, que abrirá mão de seu terceiro mandato consecutivo na Câmara dos Deputados. Wyllys, que está de férias no exterior, justifica a decisão afirmando que vem sendo vítima de ameaças de morte.

“Preservar a vida ameaçada é também uma estratégia da luta por dias melhores. Fizemos muito pelo bem comum. E faremos muito mais quando chegar o novo tempo, não importa que façamos por outros meios! Obrigado a todas e todos vocês, de todo coração. Axé!”, diz o deputado.

Eleito com 24.295 votos, Wyllys é o primeiro parlamentar assumidamente homossexual a lutar pelos direitos da comunidade LGBT na Câmara, causa que lhe rendeu enfrentamentos com grupos conservadores.

A renúncia ainda não foi oficializada. Se for confirmada, a vaga será ocupada por David Miranda, também do Psol.

Presidente da Câmara
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, divulgou nota na qual lamenta a decisão de Jean Wyllys. “Como presidente da Casa, e seu colega na Câmara, mesmo estando em posições divergentes no campo da ideias, reconheço a importância do seu mandato. Nenhum parlamentar pode se sentir ameaçado, ninguém pode ameaçar um deputado federal e sentir-se impune.”

Reportagem – Murilo Souza
Edição – Wilson Silveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Erminio Lima Neto | 28/01/2019 - 14h44
Mais um "golpe de mestre" da esquerda brasileira. O Deputado corre o risco de perder a vaga, por força da cláusula de barreira por não atingir o mínimo de 10% do coeficiente. "Eleito" com apenas 24 mil votos, fica claro que não recebeu apoio nem da sua própria comunidade. A verdade é que a esquerda retrógrada e incompetente na ação, mas muito competente na propaganda. Consegue, com a repetição do mantra, com à ajuda de uma mídia tutelada e irresponsável, mudar a realidade dos fatos. Veja o caso do deputado: uma ameaça de atentado tem mais relevância do que o real atentado. Surrealista!
Lívia Fernanda | 28/01/2019 - 05h30
Não desista de seu mandato, Jean. Mesmo não defendendo a causa LGBT como vc, eu a respeito. Acho que o deputado deve reforçar sua segurança e ficar no país exercendo o mandato que lhe foi confiado por seus eleitores. Entretanto, compreendo perfeitamente o outro lado da questão. Caso sua decisão final seja a de encerrar sua carreira como parlamentar, lhe desejo boa sorte. Abraços fraternos. Lívia Fernanda.
AIRTON BRANDAO | 26/01/2019 - 18h06
A MINHA DÚVIDA É SE ESSE HOMEM VAI SAIR DO BRASIL E CONTINUARÁ RECEBENDO COMO DEPUTADO FEDERAL. "VERÁS QUE UM FILHO TEU NÃO FOGE À LUTA."