Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

01/11/2018 - 17h39

Confirmação de Sérgio Moro em novo ministério da Justiça e Segurança repercute entre deputados

Líder do PT diz que decisão de Moro de aceitar o cargo torna evidente que o juiz jamais teve isenção em sua atuação na Lava Jato. Já o vice-líder do PSL declarou que a escolha de Moro segue critérios de competência técnica e atende a vontade popular

Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados
Audiência Pública e Reunião Ordinária. Juiz da 13ª Vara Federal do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Sérgio Moro
Juiz Sérgio Moro aceitou convite para ser ministro do novo governo Bolsonaro

A decisão do juiz Sérgio Moro, responsável na primeira instância pela operação Lava Jato, de aceitar assumir o futuro Ministério da Justiça e Segurança Pública no governo Bolsonaro foi alvo de críticas do PT e de elogios da base do governo.

Nesta quinta-feira (1º), Moro esteve com o presidente eleito Jair Bolsonaro e declarou ter aceito o convite para a pasta que terá poderes ampliados.

O Ministério da Justiça e Segurança Pública unirá as atribuições do atual Ministério da Justiça e do Ministério da Segurança Pública (que havia sido separado neste ano pelo presidente Michel Temer), e deverá incluir ainda o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Dentro das atribuições, está o comando da Polícia Federal e do sistema penitenciário.

Para assumir o ministério, Moro precisará ser exonerado do cargo de juiz federal, como determina a legislação.

O líder do PT, deputado Paulo Pimenta (RS), disse que a decisão de Moro só torna “evidente” que o juiz jamais teve isenção em sua atuação na Lava Jato. “Duvido que alguma pessoa com senso crítico não esteja estarrecida diante desse absurdo”, afirmou.

Segundo o líder do PT, o partido tomará todas as medidas judiciais para contestar a atuação de Moro em processos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outros dirigentes do partido.

Najara Araujo/Câmara
Líder do PT na Câmara, dep. Paulo Pimenta (PT-RS), fala sobre a indicação do juiz Sérgio Moro ao Ministério da Justiça do futuro governo Bolsonaro
Paulo Pimenta: indicação de Moro é um escândalo sem proporções

Suspeição
Paulo Pimenta disse que a reunião entre Moro e o futuro ministro da Fazenda, Paulo Guedes, durante as eleições, mostra a parcialidade do juiz. Segundo o vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão, Guedes procurou Moro durante as eleições para saber se ele aceitaria assumir a pasta da Justiça.

“Alguém exercendo um cargo de juiz autoriza a divulgação de uma delação que estava sob sua guarda para favorecer um candidato que ele já sabia que, se vencesse, tinha feito um convite para que ele fosse ministro. Isso é um escândalo sem proporções”, criticou Pimenta.

Em 1º de outubro, parte da delação do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci foi tornada pública por Moro nos autos do processo sobre supostas propinas da Odebrecht a Lula. Palocci incriminou Lula e Dilma Rousseff sobre suposto esquema de arrecadação de propinas pelo ex-presidente na construção de navios-sonda do pré-sal.

Zeca Ribeiro/Câmara
Reunião Ordinária. Dep. delegado Waldir (PSDB-GO)
Delegado Waldir: Moro é o Pelé do combate à corrupção

Boa decisão
Para o deputado Delegado Waldir (GO), vice-líder do PSL, a escolha de Moro segue critérios de competência técnica. “Bolsonaro atende a vontade popular. Segue com critério técnico, de indicar pessoas técnicas e as mais capacitadas e habilitadas em cada área”, disse.

Delegado Valdir afirmou que o PSL demonstrou, com a escolha de Moro, que a bandeira eleitoral de Bolsonaro pelo combate à corrupção está em prática. Segundo ele, Moro é “o Pelé do combate à corrupção”.

De acordo com o vice-líder do PSL, há um temor do PT com a escolha de Moro porque “toda a caixa preta” do partido poderia vir à tona. “Quem tem medo de Sérgio Moro? É só bandido. As pessoas de bem do País não têm medo de Sérgio Moro não”, afirmou.

.

Ouça esta reportagem na Rádio Câmara

.

Reportagem – Tiago Miranda
Edição – Pierre Triboli

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

paisnobre | 07/11/2018 - 16h19
Aparentemente a indicação é boa. Óbvio que o convite não surgiu do dia para a noite, esse povo não faz nada de impulso, tudo é bem planejado. Torcer para que dê certo. Se houve intenções partidárias por traz o tempo vai mostrar.
Mariana | 05/11/2018 - 21h33
Felizmente, Moro aceitou o convite. Num país democrático é a vontade do povo que prevalece, e a vontade da maioria dos brasileiros é que Sérgio Moro assuma este cargo. Bolsonaro tem feito excelentes escolhas para os cargos de ministros, assunto que nos governos anteriores nem se questionavam. Dizer que a condenação do Lula torna-se questionável por causa da nomeação ao cargo de ministro é estupidez, pois, ficou claro para todos que Lula foi um presidente extremamente corrupto e que afundou o nosso Brasil, fazendo nossa nação ser conhecida no mundo inteiro como o "país da corrupção".
Joaquim do N. Gomes | 05/11/2018 - 17h53
Ninguém estar a negar as capacidade e competência do juiz Sérgio Moro. O que se critica é o fato de, até mesmo para o bem da sua própria reputação, um magistrado renunciar ao Judiciário para assumir pasta ministerial, quando ainda se encontra no auge o seu trabalho na Operação Lava-Jato (que gerou tantas discussões na corrida eleitoral). O mais correto é que ele entrasse em quarentena, antes de aceitar tal importante missão.