Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

10/10/2018 - 17h15

Erundina relata preconceito de eleitores por ser idosa, e deputada mais jovem vai seguir linha política do pai

Luiza Erundina e Luisa Canziani são respectivamente as deputadas mais velha e mais jovem da próxima legislatura

Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Sessão Extraordinária. Dep. Luiza Erundina ( PSOL - SP)
Luiza Erundina reclama da ausência de políticas públicas para idosos

A coincidência é só nos nomes. Uma estreia na Câmara dos Deputados como a parlamentar mais jovem da próxima legislatura: Luisa Canziani (PTB-PR) com 22 anos chega à Câmara dos Deputados escolhida por mais de 90 mil eleitores. A outra completa 84 anos em novembro e toma posse no dia 1º de fevereiro de 2019 como a mais velha dos 513 deputados. Luiza Erundina (PSOL-SP) foi reeleita para o sexto mandato com quase 177 mil votos.

Erundina decidiu centrar esforços na defesa dos idosos, embasada na mudança do perfil demográfico brasileiro. Ela reclama que os mais velhos são tratados de forma tutelada, relacionados sempre a doenças e cuidadores. "Não tem uma política pública adequada para esse segmento, o Estatuto do Idoso não está sendo aplicado e há a perspectiva de uma conjuntura violenta sobre esse segmento da sociedade", enumerou.

Preconceito
Luiza Erundina já foi vereadora, deputada estadual e prefeita e afirma que as eleições gerais de 2018 foram as últimas das quais participou. Ela revela preconceito por parte de alguns eleitores. "Muitas pessoas que já teriam votado em mim em outras campanhas, desta vez, não o fizeram pelo fato de eu já ser idosa. Algumas até chegaram a se expressar. Outras se não falavam para mim, falavam para outra pessoa, que depois me falava", contou.

Juventude na política
A deputada mais velha da nova Câmara disse também que se preocupa com a preparação e com o interesse da juventude pela política. Se depender de Luisa Canziani, eleita pelo PTB do Paraná para o primeiro mandato, o interesse está garantido. Ela é filha do deputado Alex Canziani, do mesmo partido, que tentou uma vaga para o Senado, mas não teve sucesso. Luisa reconhece que o pai deputado colaborou para o êxito da sua primeira campanha.

"Desde muito cedo eu convivi no meio político e sempre sonhei e desejei um dia me candidatar e representar as pessoas. Eu sei que esses votos que eu obtive, sem dúvida alguma, vieram através também do legado do meu pai”.

Educação
O legado também aparece nas propostas da nova deputada. Em cinco mandatos consecutivos na Câmara, Alex Canziani ficou conhecido pela defesa da educação com qualidade. A filha quer seguir a mesma linha. "Nós vamos continuar com essa bandeira, mas é um pouco diferente, é uma educação 4.0, educação da tecnologia da informação e da comunicação, educação da gameficação, educação para preparar os nossos filhos para profissões que ainda nem existem".

Outro foco do mandato de Luisa Canziani será a valorização dos municípios. Ela prega a descentralização da administração pública e a concentração de mais recursos nas cidades.

Reportagem - Cláudio Ferreira
Edição - Geórgia Moraes

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Rodrigo Phanardzis Ancora da Luz | 11/10/2018 - 13h40
Sem dúvida a deputada tem um histórico de lutas que deixará um legado para as gerações futuras. Sua presença na casa legislativa tem sido fundamental para a sociedade e também quanto aos seus pares. Realmente o preconceito existe em relação à idade do candidato, porém, mesmo diante da necessidade de darmos oportunidade aos mais jovens, é fundamental que se observe a luta dos mais velhos. Neste pleito, três dos meus candidatos (pra Assembleia do Rio e para o Senado foram idosos). E o meu federal, que não se reelegeu, tem cerca de 50 anos, apesar de ter tido o dobro dos votos do menos votado.