Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

08/10/2018 - 11h47 Atualizado em 09/10/2018 - 21h20

Câmara tem 243 deputados novos e renovação de 47,3%

Essa é a maior renovação desde a redemocratização. O PSL foi o partido que ganhou mais deputados novos, 47 de uma bancada de 52 parlamentares

O índice de renovação na Câmara dos Deputados nesta eleição foi de 47,37%, segundo cálculo da Secretaria-Geral da Mesa (SGM). Em números proporcionais, é a maior renovação desde a eleição da Assembleia Constituinte, em 1986. No domingo (7), foram eleitos 243 deputados "novos" (de primeiro mandato) e reeleitos 251 deputados, de um total de 444 candidatos à reeleição. Ou seja, 56,5% dos deputados que se candidataram à reeleição foram reeleitos. Também foram eleitos 19 ex-deputados de legislaturas anteriores (3,7%).

Ouça esta reportagem na Rádio Câmara

Desde a eleição de 1994, o percentual de renovação na Câmara ficou abaixo de 40%, de acordo com os dados da SGM. A média de 1994 até 2014 foi de 37%. Três eleições tiveram o menor índice de renovação: 1994, 1998 e 2002. Até então, a eleição com maior número de novos rostos havia sido a de 1990, com 46% de renovação.

Para elaborar a nova Constituição, foram eleitos 235 novos deputados, ou 48% do total. A renovação da Câmara na primeira eleição de deputados já com a Carta Magna publicada, em 1990, foi de 46%, um ponto percentual abaixo da atual.

Esses índices levam em consideração todos os deputados titulares e os suplentes que assumiram o mandato em algum momento da legislatura, em um total de 612.

Renovação por partido
O PSL foi o partido que ganhou mais deputados novos, 47 de uma bancada de 52 parlamentares. Em segundo lugar ficou o PRB (18 novos parlamentares), seguido por PSB (16), PT (15), PSD (14), PP e PDT (12 cada) e DEM (10). Os outros partidos elegeram menos de dez novos deputados.



Reeleição
O PT foi o partido que mais reelegeu deputados. Dos 56 deputados eleitos ontem, 40 foram reeleitos, seguido por PMDB (25 reeleitos), PP (23), PR (22), PSD (20), DEM (19), PSDB (16), PSB (14), PDT (14) e PRB (11). As demais legendas reelegeram menos de 10 deputados.

O atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia, é um dos deputados reeleitos pelo DEM do Rio de Janeiro.

Outros cargos
Dos 612 deputados federais que assumiram o mandato na atual legislatura, 444 tentaram a reeleição, 78 não se candidataram, 42 concorreram ao Senado (16 foram eleitos), 15 se candidataram a deputado estadual, 11 a vice-governador, 11 a suplente de senador, 9 a governador (um foi para o segundo turno e os demais não foram eleitos) e dois a presidente da República.

Renovação surpreendente
Segundo o analista político Antônio Augusto de Queiroz, diretor de documentação do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), o índice de renovação foi surpreendente em função do crescimento de partidos como PSL, do candidato à Presidência Jair Bolsonaro, e PRB. “Esperava-se uma renovação dentro da margem histórica.”

Queiroz acredita porém, que a renovação na Casa é, na verdade, uma circulação no poder de parlamentares com mandato estadual vindo para a Câmara. “Os poucos espaços que serão ocupados por quem nunca exerceu cargo público têm quatro origens: os linha-dura, os parentes de oligarquias nos estados, as lideranças evangélicas e as celebridades”, disse.

Reportagem – Wilson Silveira e Tiago Miranda
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Paulo Henrique Dutra | 10/10/2018 - 13h56
Na verdade a grande mudança esta acontecendo no Judiciário, Ministério Público, Polícias Federal e Civil, quem se elegeu pensando em ganhar dinheiro com o cargo público vai esbarrar na nova geração de magistrados procuradores, delegados todos com cargos vitalícios e advindo de concurso público e que já se alinham com a carreira que foi escolhida sem compromissos politico partidários.
Maria Luiza Rodrigues Rabelo | 09/10/2018 - 21h35
Não considero muitos deputados que são colocados como novos, tendo em vista que, vários mudaram do Senado para a Câmara ou retornaram após algumas legislaturas. Novos são aqueles que nunca ocuparam cadeiras no Congresso Nacional, pois nem aqueles que foram deputados estaduais e agora se elegeram para a Câmara eu considero uma novidade. Se formos visualizar e fazer um levantamento, teremos uma grande decepção com estes números. A verdadeira reforma seria aquela na qual aprovassem as "candidaturas independentes", e tem certeza que não teríamos o grande número de abstenções como ocorreu em 2018.
Rosângela Barbosa Gomes | 09/10/2018 - 08h18
A renovação poderia ter sido muito maior não fossem os fundos partidário e eleitoral beneficiado as velhas raposas, que mesmo assim, ainda bem, não conseguiram reeleger-se. Estamos apenas começando a faxina necessária e chegará o dia em que nos livraremos dos velhos e novos caciques e teremos políticos sérios, éticos e comprometidos com o crescimento do País e não do próprio Poder. Somos fortes quando estamos juntos. #VamosRenovarTudo