Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

08/10/2018 - 10h29 Atualizado em 08/10/2018 - 18h33

Deputada mais nova eleita tem 22 anos; 28 deputados têm menos de 30 anos

Mais idosa da próxima legislatura, Luiza Erundina foi reeleita para o sexto mandato consecutivo

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Homenagem à vereadora do PSOL, Marielle Franco, morta ontem no Rio de Janeiro. Dep. Luiza Erundina (PSOL - SP)
Luiza Erundina será a mais idosa na próxima legislatura

Entre os 513 deputados eleitos para a nova legislatura (2019-2022) na Câmara dos Deputados, a mais nova é a deputada Luiza Canziani (PTB-PR), com 22 anos. Filha do deputado Alex Canziani (PTB-PR), Luiza é estudante de Direito e vai ocupar o primeiro cargo eletivo.

Também tem 22 anos o deputado eleito por São Paulo Kim Kataguiri (DEM), ativista político e coordenador do Movimento Brasil Livre (MBL) também é estreante em cargos eletivos.

Dos 513, 28 deputados têm menos de 30 anos.

A parlamentar mais idosa na nova Câmara será a deputada reeleita Luiza Erundina (Psol-SP), que tem 83 anos e vai iniciar o sexto mandato consecutivo. O deputado Mauro Lopes (MDB-MG) também foi reeleito e, aos 82 anos, vai iniciar o sétimo mandato consecutivo.

Mandatos
Três deputados estão no topo da lista de longevidade no cargo. Átila Lins (PP-AM), Átila Lira (PSB-PI) e Gonzaga Patriota (PSB-PE) foram eleitos para o oitavo mandato na Câmara dos Deputados, acumulando 28 anos de experiência no Legislativo.

Os novatos, por outro lado, ultrapassam 200 nomes, que assumirão em fevereiro do ano que vem o primeiro mandato na Câmara dos Deputados.

Reportagem – Lara Haje e Carol Siqueira
Edição – Geórgia Moraes

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

mirandajr | 11/10/2018 - 03h09
Q bom q o Povo brasileiro deu uma boa renovada na Camara e uma espetacular renovada no Senado. Muito tempo de mandato além de consolidar vicios e tornar-se uma rotina sem o impulso do entusiasmo, é fácil ver isso nas sessões televisadas. Uns falam sem parar nos microfones outros mal se vê no plenário outros são assiduos mas sem aquele tchan e outros se viciam nas obstruções transformando o trabalho parlamentar em guerra ideológica e não em trabalho pro povo e o Pais como neste ano que se encerra viu-se nos deputados do PT e anexos fazendo apenas guerra de obstrução pra atrapalhar o Temer