Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

08/10/2018 - 02h27 Atualizado em 08/10/2018 - 07h52

PT e PSL elegem as maiores bancadas da Câmara dos Deputados

Resultados para o Legislativo repetem polarização na disputa para a Presidência da República, que vai opor os dois partidos. MDB perdeu espaço na Câmara

 O PT e o PSL despontaram das urnas neste domingo com as maiores bancadas para a Câmara dos Deputados nos próximos quatro anos. 

O PT, que em 2014 elegeu 69 deputados, continua com uma grande bancada, mas perdeu representação, ficando com 56 deputados. O maior crescimento foi do PSL, que saiu de 1 deputado eleito em 2014 para 52. Veja abaixo o quadro comparativo das bancadas.

O MDB – que hoje ocupa a presidência da República com Michel Temer – perdeu quase a metade do espaço que tinha em 2014, quando elegeu 65 deputados. A bancada terá 34 parlamentares.

O Partido Novo, que estreou nas eleições de 2018, conseguiu 8 deputados. A nova Câmara continua marcada pela fragmentação partidária. São 30 legendas com representação no Parlamento.

O tamanho das bancadas é fundamental na atuação parlamentar. O maior partido ou bloco tem peso na escolha dos cargos mais importantes da Casa, como a presidência da Câmara e da Comissão de Constituição e Justiça.

Até fevereiro de 2019, quando os deputados tomam posse, os partidos ainda podem se aliar em blocos para ajustar a atuação parlamentar de acordo com o resultado da eleição para presidente da República.

Renovação
A renovação foi alta em alguns estados. No Mato Grosso e no Distrito Federal, apenas uma das oito cadeiras é de deputados reeleitos. Erika Kokay (PT) foi reeleita pelo DF e Carlos Bezerra (MDB) pelo MT. Os demais são novatos na Câmara dos Deputados.

O Piauí, por outro lado, reelegeu sete dos dez deputados federais de sua bancada. O Rio Grande do Sul também optou por reeleger a maior parte da bancada: 19 foram reeleitos e 12 novatos.

Veteranos e novatos
A composição da Câmara traz novatos como o ator Alexandre Frota (PSL-SP) e a jornalista Joice Hasselmann (PSL-SP). Há ainda vários novatos ligados à área de segurança, como a Policial Katia Sastre (PR-SP), que ganhou fama nacional após abordar um assaltante em frente a uma escola.

A deputada Luiza Erundina (Psol-SP) é a veterana da próxima composição da Câmara. A parlamentar, que tem 84 anos, vai iniciar o sexto mandato consecutivo. Outro veterano é o deputado Átila Lira (PSB-PI), 71 anos, que vai iniciar o oitavo mandato como deputado, sendo o sexto consecutivo.

Justiça Eleitoral
Os resultados finais deste domingo poderão ser alterados em decorrência de eventuais recursos decididos pela Justiça Eleitoral. O Judiciário analisa ações sobre abuso do poder econômico e político nas eleições, cumprimento de critérios para assumir o cargo, e o atendimento dos requisitos da Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar 135/10).

Reportagem - Carol Siqueira e Eduardo Piovesan
Edição – Wilson Silveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Luiza Rabelo | 09/10/2018 - 09h33
O melhor que ocorreu, foi a eleição de várias candidatos independentes, pois o famoso FUNDO PARTIDÁRIO É DIRECIONADO APENAS PARA OS MAIS ANTIGOS NO CONGRESSO, e o pior que há vários, inclusive, investigado por CORRUPÇÃO. Espero que as pessoas que não têm comprometimento com PARTIDOS, EMPREITEIRAS e outros, possam fazer a diferença. Atualmente, não se aceita mais tanta inércia. CONVOQUE A POPULAÇÃO e muitas coisas poderão mudar significativamente. Deixo claro que não sou política, muito menos filiada a qualquer partido e GRAÇAS A DEUS não tenho parentes que ocupem cadeiras em nenhum nível.
KELLY DA SILVA GOMES | 08/10/2018 - 21h39
alguns dinossauros já foram extirpados, outros serão assim que o malfadado foro privilegiado for extinto (convoco os novos deputados a empunharem essa bandeira) e, os que resistirem, na próxima eleição cairão fora com certeza. Um limpa no congresso está sendo feito. Brasil acima de tudo, DEUS ACIMA DE TODOS!!!!!!!!
Maria Luiza Rodrigues Rabelo | 08/10/2018 - 17h28
Foi lamentável a população não acordar e deixar de reeleger a grande maioria dos que já ocupam cadeiras nessa Casa. Afinal, com a atual composição teremos sempre o mais do mesmo. Sem falar que o Fundo Partidário só serviu mesmo para os caciques dos partidos. Espero que em 2022 o povo esteja mais informado, saiba visualizar as redes sociais e tende melhorar a composição do Congresso Nacional. Pois, se continuarem os atuais políticos profissionais, o Brasil nunca saíra do lugar. Uma reforma urgente seria a política, não permitindo que uma pessoa se candidate sucessivamente a tantas eleições.