Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

24/08/2018 - 10h55 Atualizado em 30/08/2018 - 15h41

Percentual de candidatos negros é o mesmo das últimas eleições, mas o de jovens caiu

O percentual de candidatos negros a um cargo de deputado federal se manteve o mesmo, apesar de o número absoluto das candidaturas ter aumentado

As eleições deste ano registram o mesmo percentual de candidaturas de negros do último pleito e queda nas candidaturas de jovens à Câmara dos Deputados.

Ouça esta reportagem na Rádio Câmara





Neste ano, 3.447 candidatos a deputado federal se declararam de cor preta (896) ou parda (2.551). O número corresponde a 41% dos cerca de mais de 8.200 postulantes a uma vaga na Câmara.

Houve um pequeno crescimento no número absoluto de candidaturas de negros em relação à eleição anterior, em 2014, quando 2.930 dos que queriam ser deputado federal se disseram de cor preta (701) ou parda (2.229). O percentual de quatro anos atrás, no entanto, era o mesmo de agora.

Já a candidatura de jovens à Câmara dos Deputados caiu. Considerando os candidatos de 19 a 29 anos de idade, os números passaram de 457 (6,4% do total de candidatos), em 2014, para 408 (4,9%), em 2018.

Diante de tais números, o cientista político Thiago Vidal não vê perspectiva imediata de superação da sub-representação da sociedade brasileira na Câmara, principalmente em relação aos negros.

"A sub-representação parlamentar, que vai decorrer da sub-representação nas candidaturas, é sintoma da dificuldade que os segmentos mais jovens, os negros e o público feminino têm. É amostragem do grande problema que é essa falta de representação que não deveria existir, porque a maior parte da população é negra e feminina.”

Para Vidal, essa sub-representação é “claramente um problema institucional de instrumentos de participação [na política]”.

Amarelos e índios
Apesar do baixo número absoluto, as eleições de 2018 registram aumento de candidaturas de amarelos e indígenas. Neste ano, 40 indígenas vão concorrer a um cargo de deputado federal, 15 a mais do que em 2014.

Já entre os que se declararam amarelos, o número de candidatos passou de 38, na eleição passada, para 62, em 2018.

Quanto à faixa etária, a mais jovem candidata à Câmara dos Deputados tem 19 anos e é de Goiás. Essa candidatura, no entanto, deve ser impugnada porque a idade mínima para ser deputado federal é de 21 anos.

Já o candidato mais velho tem 90 anos e concorre por São Paulo.

Reportagem – José Carlos Oliveira
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

José Sousa da Hora Filho | 25/08/2018 - 11h23
A indignação dos Jovens que não são filhos de políticos profissionais realmente tem afastado-os deste convívio, Até gostaria de conhecer os números dos novatos filhos de políticos tradicionais. -Hoje o que mais ouço daqueles que não tem políticos na família é o desejo de deixar o País.
Andre Sarmanho | 24/08/2018 - 11h48
O Congresso está abarrotado de deputados e senadores mestiços.Há brancos que pensam ser puros.Há negros que pensam ser negros puros e há também uma imensidão de outros que se consideram de outras etnias,supostamente superiores e de outras, que se consideram extremamente discriminadas,enfim,mais com toda a certeza,quase 99% (noventa e nove por cento)deve ter um ancestral índio que desconhece,seja por parte de mãe ou por parte de pai,isso sem falar daqueles que são filhos adotivos,ou que,por contingências do destino, são frutos de infidelidades de suas ancestrais.Somos brasileiros tupiniquins.
Andre Sarmanho | 24/08/2018 - 11h37
Há um imenso equívoco nestas estatísticas, pois apesar de no Brasil se considerar negros todas as pessoas de pele escura isso não é verdade,pois os brasileiros,mais de 60% (sessenta por centos) são brasileiros mestiços,originários da miscigenação da imensa e maior população de habitantes do Brasil desde o descobrimento,os indígenas,principalmente os tupis e os guaranis com as minorias da população de origem branca e de origem negra e também,de brancos com negros.Não há negros puros no nosso País,isso foi inventado para ser criar "minorias" para formar currais eleitorais de base populista!!!!!