Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

11/07/2018 - 21h02

Parlamentares criticam projeto que cancela recursos orçamentários para obras em rodovias

Deputados de estados afetados por remanejamento de despesas feito pelo projeto em análise no Congresso Nacional (PLN 13/18) criticaram a medida. Para liberar R$ 995 milhões para os ministérios da Saúde, Educação, Integração Nacional e Desenvolvimento Social, o governo cortou recursos de emendas de bancadas prevendo a realização de obras em rodovias federais de determinados estados.

Santa Catarina foi um dos estados afetados pelos cortes. O líder da Minoria no Congresso, deputado Décio Lima (PT-SC), tentou apresentar um destaque para reverter a medida, mas o pedido não foi aceito pela Mesa do Congresso.

O deputado João Paulo Kleinübing (DEM-SC) se disse “inconformado” com a retirada de dinheiro para obras rodoviárias no seu estado por considerar que o governo federal tem uma dívida histórica com Santa Catarina.

Redução de recursos
O líder do PR, deputado José Rocha (BA), disse que os cortes são sensíveis. “Qual deputado ou senador vai votar em um projeto que retira recursos de investimentos em infraestrutura no seu estado?”, questionou.

Segundo ele, os cortes são de 15% de investimentos na Bahia e no Piauí; 16% em Santa Catarina; 12% em Minas Gerais; 7% no Pará; e 5% em Roraima.

O 1º vice-presidente da Câmara, deputado Fábio Ramalho (MDB-MG), chamou o texto de “PLN da morte”. “É injustiça, desrespeito a Minas Gerais e ao povo brasileiro”, disse Ramalho, ao condenar a retirada de recursos para obras na BR-381, em Minas.

Apenas a senadora Ana Amélia (PP-RS) defendeu a medida. Segundo ela, é preciso “olhar para o todo” do projeto, ressaltando alterações que vão beneficiar as universidades federais no Rio Grande do Sul.

Mais informações a seguir